Incêndio destrói casa do século 18 no Pelourinho

Um incêndio num imóvel do século 18, situada na Rua Santa Isabel, Pelourinho, pertencente à Ordem Terceira de São Francisco ocorrido ontem por pouco não destrói pinturas da fase áurea do barroco baiano. Ao lado da casa número 5, onde funcionava o Restaurante dos Mestiços, destruído pelo fogo, existe um ateliê onde estão sendo restaurados vários quadros do acervo da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco, construída no inicio do século 18 e tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Entre as obras que correram risco de virar cinza estão vários painéis do pintor Tito Nicolau Capinam, do século 19, com cenas da vida de São Francisco que decoram o corredor de entrada da igreja. O ministro-presidente da Ordem Terceira Firmino Alves chegou a temer que as chamas alcançassem até a Igreja, situada a vinte metros da casa incendiada. Ele explicou que no momento que o fogo começou, ele e outros membros da irmandade participavam do grupo dominical de estudos da vida de São Francisco na igreja. "Sentimos o cheiro forte de queimado, percebemos o incêndio e quando soubemos que o Corpo de Bombeiros já havia sido chamado, rezamos para que o fogo não se alastrasse", disse. No entanto, mais uma vez as equipes do Corpo de Bombeiros chegaram atrasadas, quase uma hora após o inicio do incêndio, mesmo havendo um quartel da corporação na Baixa dos Sapateiros, a cerca de cem metros do local. O fogo já havia consumido o imóvel, mas felizmente não atingiu o ateliê vizinho, cujos proprietários acabaram entrando em conflito com os bombeiros por terem se negado a deixar os soldados usar a casa vizinha para combater as chamas. Conforme Firmino Alves, o acesso foi negado porque se temia que os bombeiros danificassem as obras de arte. "Depois os próprios bombeiros reconheceram que os donos do ateliê estavam certos", disse. Alves lamentou a falta de eficiência dos bombeiros ponderando que isso é um risco para o patrimônio histórico do Pelourinho. Ele lembrou que as casas da Rua Santa Isabel (que pertencem à Ordem Terceira) foram restauradas no inicio dos anos 90 no governo do atual senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA). "Na época o governo restaurou e permitiu que nós alugássemos os imóveis e é com essa renda que mantemos o Lar Franciscano que atende a 150 irmãos idosos", contou. "Faço um apelo ao governador Paulo Souto e a ACM para que aparelhem o Corpo de Bombeiros tornado-o mais eficiente", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.