Incêndio destrói dezenas de barracos em favela carioca

Cerca de 30 famílias perderam seus lares na madrugada desta sexta-feira, 14, quando um incêndio consumiu dezenas de barracos da favela de Rio das Pedras, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio. Pelo menos três pessoas foram feridas pelo fogo, que devastou uma área de 800 metros quadrados. As chamas se alastraram rapidamente porque os casebres eram construídos com madeira. Os bombeiros tiveram dificuldades para chegar ao local por causa das ruas estreitas e sem calçamento da favela, mas conseguiram controlar o incêndio em pouco tempo. Pela manhã, eles ainda faziam o trabalho de rescaldo no local.Um adolescente de 17 anos teve queimaduras no ombro e foi atendido no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, e foi liberado. Com mais de 80% do corpo queimado, um jovem de 21 anos foi transferido para o Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Souza Aguiar, no Centro, e seu estado é grave. No Hospital do Andaraí, unidade de referência no atendimento a queimados, um homem de 52 anos foi internado com queimaduras de 1º e 2º graus no tórax e no ombro.No local da tragédia, o cenário era de devastação. As paredes de madeira que separavam as casas desapareceram e, no meio das cinzas, era possível ver as carcaças de várias geladeiras, fogões e até televisões.Petrobras Um incêndio também atingiu na manhã desta sexta o prédio administrativo da Fronape (Frota Nacional de Petroleiros) da Petrobras/Transpetro, no bairro do Caju, na zona portuária do Rio. O fogo teve início por volta das 7h30 na subestação de energia elétrica do prédio de três andares. Apenas os dois últimos andares foram atingidos. Neles, funcionam a armazenagem da Fronape e o almoxarifado da Tecnologia de Informações da Petrobras. No cais da Fronape funcionam o embarque e desembarque dos funcionários que trabalham nos navios petroleiros da Transpetro. O Corpo de Bombeiros conseguiu controlar o fogo uma hora depois e não houve feridos. As atividades no local devem ser mantidas normalmente amanhã, segundo informações da assessoria de imprensa da Transpetro. (Colaborou Kelly Lima)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.