Incêndio destrói paiol de pólvora da Marinha

Um incêndio destruiu o material armazenado num dos paióis de pólvora da Fábrica de Munição da Marinha, em Campo Grande, zona oeste do Rio, nesta manhã. Houve uma pequena explosão, mas não houve vítimas - já que o depósito respeitava todas as normas de segurança, segundo os bombeiros, o que impediu que o acidente tomasse maiores proporções. O fogo foi detectado pelo sistema de monitoramento do paiol, que conta com circuito interno de TV. Foi debelado por bombeiros do quartel de Campo Grande, que também resfriaram os demais depósitos, para evitar que novos focos surgissem. Um inquérito policial militar será aberto para investigar as causas do incêndio, de acordo com o capitão-de-corveta Carlos Alberto Macedo Junior, encarregado da comunicação. Em julho de 1995, o Centro de Munições e Mísseis da Marinha, na Ilha do Governador, zona norte do Rio, foi destruído depois de uma forte explosão. O impacto foi sentido num raio de 50 quilômetros do arsenal e o fogo e a fumaça chegaram a 300 metros de altura. Vinte e dois militares ficaram feridos. Os moradores da região entraram em pânico e muitos deixaram suas casas, que acabaram saqueadas. Militares que reivindicam a realização de concurso público afirmam que a falta de pessoal especializado aumenta o risco de acidentes deste tipo.

Agencia Estado,

07 Fevereiro 2006 | 18h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.