Incêndio em MG foi provocado por sinalizadores

O incêndio na casa de espetáculos Canecão Mineiro, em novembro do ano passado, que matou 7 pessoas e deixou mais de 300 feridas, foi causado por dois bastões sinalizadores, acionados antes do show da banda de pagode ?Armadilha?. Essa foi a conclusão do laudo final do Instituto de Criminalística da Polícia Civil. Até hoje, o início do incêndio era atribuído a uma cascata de fogos de artifício, também utilizada na abertura do show.Os bastões, colocados no chão, ao lado do palco, também faziam parte do show pirotécnico montado pelos donos da casa e pela produção da banda. "Concluímos que os bastões, impróprios para locais fechados, lançaram centelhas no forro e funcionaram como maçaricos, dando início ao incêndio", explicou o perito policial Éder Mascarenhas."Quando a cascata começou, cerca de dois minutos depois, o teto já pegava fogo", acrescentou. O forro do Canecão, empresa que funcionava sem alvará municipal, era constituído de materiais altamente inflamáveis, como poliuretano e espuma, o que facilitou a propagação das chamas. ProcessoApesar da definição da causa do incêndio, o laudo da Criminalística muda pouco em relação ao processo que já tramita na 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte. Dezesseis pessoas - entre funcionários da Prefeitura da capital, acusados de negligência e falhas na fiscalização, integrantes da banda, seguranças e proprietário da casa de espetáculos, Rubens Martins - foram indiciados e podem ser condenados por homicídio culposo.O Canecão Mineiro teria capacidade máxima, de acordo com a Polícia Civil, para pouco mais de 250 pessoas, diante das condições de segurança apresentadas. Costumava, porém, reunir até 3 mil pagantes nos shows - na noite do incêndio, o público era de 2,5 mil. Também não havia saídas de emergência e extintores de incêndio suficientes. O processo deve ser concluído antes do meio do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.