Incêndio em terminal pode comprometer arrecadação de Angra

O incêndio no píer operado pela Transpetro no Terminal Marítimo de Ilha Grande (Tebig), no sábado, pode comprometer a arrecadação do município de Angra dos Reis. Isso porque o Tebig corresponde a 54% da receita de Angra, de acordo com o secretário de Energia, Indústria Naval e Petróleo do Estado do Rio, Luiz Limaverde. O valor arrecadado é referente à partilha do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) entre o Fundo de Participação dos Municípios.O secretário sobrevoou hoje a área atingida e se reuniu com representantes da administração local para avaliar o impacto na economia local. "Dependendo dos danos causados, o terminal pode ficar parado vários meses e isso implicaria em perda de receita para o município", disse Limaverde.A Petrobras já formou uma comissão de engenharia para analisar a situação dos dois piers do Tebig. De acordo com a estatal, o incêndio causou o vazamento de cerca de 36 litros de óleo, que escaparam da linha de transmissão de dutos e se espalharam pelo mar.O píer passava por uma reforma e os técnicos investigam se o fogo começou por causa de alguma fagulha usada para soldar o duto. A assessoria da Transpetro informou que não havia transporte de óleo pelos dutos no momento do acidente e o óleo espalhado era resíduo da tubulação. Como o píer tinha sido desativado para manutenção, nenhum navio estava atracado.Segundo dados preliminares da Fundação Estadual de Engenharia Ambiental (Feema), o impacto ambiental foi pequeno e o óleo não deve atingir as praias da região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.