Reprodução
Reprodução

Incêndio faz hospital da UFRJ remanejar pacientes, mas ninguém ficou ferido

Universidade diz que não havia circulação de pessoas no local atingido; peritos ainda investigam as causas do acidente

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2022 | 15h47

RIO -  Um incêndio atingiu na noite deste sábado, 5, o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na Ilha do Fundão, na zona norte carioca. Pacientes precisaram ser remanejados para outras áreas do prédio, mas ninguém ficou ferido no incidente, informou a UFRJ, em nota oficial.

As chamas começaram por volta das 19h30, em uma sala no 7° andar, na ala F do edifício. Segundo a universidade, não há circulação de pacientes ou profissionais no local atingido pelo fogo. Os pacientes que estavam na enfermaria do andar superior ao incêndio foram transferidos para outras alas do prédio, "por precaução, por conta da fumaça", informou a UFRJ.

"A brigada de incêndio do Hospital atuou prontamente e o Corpo de Bombeiros foi acionado. A situação foi controlada rapidamente", ressaltou a nota. Peritos ainda investigam a causa do fogo. Nas redes sociais, a reitoria da instituição federal, Denise Carvalho, ressaltou a importância das brigadas de incêndio. Em setembro de 2018, o Museu Nacional, ligado à universidade, foi destruído pelas chamas. 

Primeira instituição do gênero do Brasil, fundado por D. João VI em 1818, o Museu Nacional funcionava na antiga residência oficial dos imperadores brasileiros. A construção fica na Quinta da Boa Vista, hoje um parque em São Cristóvão, na zona norte carioca.  Desde 1946, é vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Praticamente todo o acervo - 12 mil peças - foi reduzido a cinzas no incêndio de 2018. Um inquérito da Polícia Federal concluiu que o incêndio foi resultado de um curto-circuito em instalações de refrigeração de ar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.