Incêndios em série são alerta, afirma OMS

A administração do Hospital das Clínicas de São Paulo deve repensar sua gestão antes que novos acidentes ocorram. Essa é a recomendação dos técnicos da Organização Mundial da Saúde (OMS), que não escondiam a surpresa em relação aos dois incêndios no edifício em menos de um mês. Ontem, em Genebra, o Banco Mundial, OMS e a ONU lançaram uma campanha internacional para conscientizar os governos de que precisam investir na segurança dos hospitais contra desastres e acidentes. "Na prática, o investimento em segurança de um hospital tem um custo baixo em comparação aos danos que um incidente pode causar", afirmou Samir Bin Yahmed, uma das principais autoridades da OMS em gestão hospitalar. Pelos cálculos da entidade, o investimento de apenas 1% do valor da obra do hospital já seria suficiente para evitar desastres e salvar 90% de um edifício em caso de incêndio ou terremotos, por exemplo.Na construção de novos hospitais, a OMS sugere que cerca de 4% do valor da obra seja destinado para medidas de segurança. Para a agência, a chave para garantir a segurança é mesmo o compromisso político. No caso de São Paulo, a OMS deixa claro que a situação não pode ser mais aceita. Segundo Nada Alward, especialista da agência de Saúde da ONU: "Um acidente pode ocorrer, mas não dois em um curto espaço de tempo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.