Incerteza eleitoral leva setor à inércia

Há dúvidas sobre investimentos e falta plano de central de distribuição

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

28 de agosto de 2008 | 00h00

Especialistas em trânsito esperavam que, com a vigências das restrições a caminhões, tivesse início uma mudança na estrutura logística de transporte em São Paulo, principalmente com o investimento em veículos menores e a construção de centrais de distribuição. Quase dois meses depois, nada foi feito e nem mesmo há planos.Parte dessa inércia é motivada pela incerteza a respeito do futuro das restrições. Os empresários relutam em investir nos Veículos Urbanos de Carga (VUCs), caminhões pequenos que atualmente obedecem a um sistema de rodízio de placas pares e ímpares para circular na Zona de Máxima Restrição de Circulação (ZMRC).De acordo com o Decreto 49.636/08 , a partir de 1º de novembro, os VUCs passarão a obedecer às mesmas regras dos demais caminhões e só poderão circular na ZMRC das 21 às 5 horas. Mas o próprio prefeito Gilberto Kassab (DEM) e o secretário municipal dos Transportes, Alexandre de Moraes, informaram que essa medida pode não entrar em vigor, criando mais incertezas."Fazer um investimento pesado em VUC é muito arriscado, porque a gente não sabe o que vai acontecer", diz o empresário Roberto Granero, presidente do grupo Granero. Suas empresas estão terceirizando alguns serviços de entrega, contratando caminhonetes e VUCs de companhias menores.As eleições municipais deste ano são outro foco de incerteza. "Não sabemos quem será o prefeito. Por isso não dá para prever se as restrições vão continuar, se serão abrandadas ou totalmente retiradas", diz o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de São Paulo (Cetcesp), Francisco Pelúcio.Outro ponto que não evoluiu foi a construção de centrais de distribuição nas entradas da cidade. Segundo o professor da USP Jaime Waisman, as centrais são fundamentais para reorganizar a logística de cargas, uma vez que caminhões maiores descarregariam ali e os produtos seriam entregues por veículos menores. "A responsabilidade pela construção é da iniciativa privada, mas o poder público tem de indicar onde eles devem ser construídos."A Secretaria dos Transportes não respondeu se tem projeto de construção de centrais de abastecimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.