Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Indenizações a vítimas de Mariana devem chegar a R$ 2 bilhões

No 8º Fórum Mundial da Água, presidente da Fundação Renova disse que pagamentos sairão até o fim deste ano

André Borges, O Estado de S.Paulo

22 Março 2018 | 23h39

BRASÍLIA - As indenizações que serão feitas à população atingida pelo desastre da barragem de Mariana, em Minas Gerais, em novembro de 2015, deverão ser concluídas até o fim do ano, com estimativa de chegarem a R$ 2 bilhões. 

+++ Desastre de Mariana, 2 anos: em busca da própria história e de reparação

Os reflexos e os programas de recuperação ligados à tragédia causada pela mineradora Samarco, que deixou um rastro de destruição e matou 19 pessoas, foram debatidos nesta quinta-feira, 22, no 8.º Fórum Mundial da Água, em Brasília. O evento termina nesta sexta-feira, 23. 

+++ Protesto contra Vale marca dois anos da tragédia em Mariana

Roberto Waack, presidente da Fundação Renova, instituição criada para tocar os programas de recuperação, disse que um cadastro de indenizações com dados de cerca de 30 mil famílias está concluído e que cerca de 70 mil pessoas deverão ser atendidas após um processo de negociação. "A gente deve concluir esse volume todo de negociações até o meio do ano." 

+++ Trabalhadores da Samarco aprovam prorrogação de layoff até março de 2018

Segundo Waack, a situação atual das águas do Rio Doce está próxima àquela que existia antes do rompimento da barragem, mas ainda serão necessários entre cinco e dez anos de trabalho para que se chegue a um resultado satisfatório.

"Temos ainda entre 10 milhões e 20 milhões de toneladas de rejeitos para lidar. Não significa que tudo será retirado, mas é preciso recuperar o solo para que ele faça parte da recuperação natural da região", disse. 

Dados da fundação apontam que as ações de reparação receberam aportes de R$ 3,4 bilhões desde novembro de 2015. A previsão é de que R$ 12,1 bilhões sejam aplicados nos programas até 2030. As ações se dividem em 42 programas e projetos, envolvendo o reassentamento das vítimas, pagamento de indenizações, manutenção da qualidade da água na bacia do Rio Doce e a retomada da atividade econômica dos municípios afetados.

Tragédia

A maior tragédia ambiental enfrentada pelo Brasil aconteceu em 2015 quando uma barragem operada pela Samarco se rompeu na região de Mariana, despejando 40 milhões de metros cúbicos de rejeitos. Além de matar 19 pessoas, o tsunami de lama arrasou localidades e percorreu mais de 600 km pelo Rio Doce até chegar ao Oceano Atlântico, devastando a fauna e a vegetação em seu caminho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.