Indicação de Meirelles abre corrida por cargos na APO

Indicação de ex-chefe do BC para Autoridade Olímpica dá início a disputa por vagas com [br]salários de até R$ 22 mil

Luciana Nunes Leal e Alfredo Junqueira, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2011 | 00h00

O convite da presidente Dilma Rousseff ao ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles para comandar a Autoridade Pública Olímpica (APO) apressou a movimentação de funcionários não concursados do governo Lula que ainda estão sem lugar na nova administração.

Segundo integrantes do governo ouvidos pelo Estado, assessores e técnicos da Presidência e de alguns ministérios sonham ser acomodados no consórcio formado por União, Estado e prefeitura do Rio com a missão de coordenar as ações relacionadas com a Olimpíada de 2016.

Embora ainda se mostrem discretos em relação à APO, os partidos, surpresos com o convite a Meirelles, estão atentos à escolha do comando da nova autarquia. Apesar de ele ser filiado ao PMDB, os peemedebistas não o consideram indicação da legenda. "Vão dizer que o PMDB levou a APO e vai ocupar todos os cargos importantes", brincou ontem um parlamentar da legenda.

Os números grandiosos da Autoridade Pública Olímpica explicam o interesse. A APO terá até 184 cargos comissionados (contratados sem concurso), com remuneração de R$ 15 mil a R$ 22,1 mil - salário do futuro presidente. O diretor-executivo receberá R$ 21 mil mensais. Seis diretores terão salário de R$ 20 mil. Haverá ainda 29 cargos de superintendência, de R$ 18 mil mensais; 92 cargos de supervisão, de R$ 15 mil. Por fim, 35 postos de assessoria com salários de R$ 15 mil e outros 20 assessores com remuneração de R$ 18 mil. Os cargos e salários estão detalhados na MP 503, a ser votada até 1º de março.

Segundo a proposta, 300 servidores concursados poderão ser remanejados de órgãos públicos para a APO, com funções gratificadas, com pagamento extra de R$ 1mil, R$ 3 mil ou R$ 5 mil.

Papel menor. Com a possibilidade de chegar a 484 empregados, sede no Rio e investimentos calculados em R$ 30 bilhões para organizar a Olimpíada de 2016, a APO está estruturada como um grande órgão federal. Isso deixou insatisfeito o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que considera reduzidos os papéis da prefeitura e do Estado na proposta encaminhada ao Congresso.

Embora apoiasse para o cargo o ministro do Esporte Orlando Silva ( PC do B), Paes considerou Meirelles "um ótimo nome" em nota oficial. Ele se diz mais preocupado com as atribuições e o poder a autarquia do que com o nome do futuro presidente. Para o governador Sérgio Cabral (PMDB), Meirelles e o ministro Orlando Silva "podem fazer uma dobrada muito boa".

Além da aprovação no Congresso, a APO precisa passar pela Câmara Municipal do Rio. A Assembleia do Estado já aprovou o consórcio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.