Índice de morte entre menores no Rio é maior que em guerras

Reportagem publicada nesta segunda-feira, 16, pelo jornal americano Washington Post mostra que o índice de mortes de menores de idade nas favelas do Rio de Janeiro é maior que o verificado em zonas de guerra. De 2002 a 2006, 729 crianças palestinas ou israelenses morreram, de acordo com o grupo israelense de diretos humanos B´Tselem. "No mesmo período no Rio de Janeiro, foram relatadas 1.857 mortes de menores", comparou o correspondente do jornal no Rio, Monte Reel, e o colaborador Fred Alves, que assinam a reportagem. Com o aumento da violência entre jovens, como o caso do menino João Hélio, no Rio de Janeiro, a matéria discute também o projeto de reduzir a maioridade penal. O texto relata o medo de mães em perderem seus filhos em meio à guerra entre traficantes e polícia, ou também pelo risco de serem cooptados pelo tráfico. O temor é exemplificado até pela necessidade de os moradores conseguirem distinguir entre o barulho de fogos de artifício e o de tiros. "Madeira (Maiza Madeira, moradora de favela) disse que aprendeu há três anos a identificar o som de fogos de artifício de forma tão apurada. Na primeira noite da celebração do Carnaval, seu filho de 16 anos saíra com amigos para celebrar. Fogos de artifício foram lançados a noite toda, mas um som em particular a deixou preocupada." Eram os tiros que mataram seu filho em frente à sua casa, e foram disparados por uma patrulha da Polícia Militar, relatam os jornalistas do Post. A reportagem também mostra a visão dos jovens favelados com relação ao tráfico de drogas e à polícia, entrevistando tanto um jovem preso no Instituto Padre Severino, como jovens que buscam ficar fora de atividades consideradas ilícitas. As informações são do site do Washington Post.

Agencia Estado,

16 Abril 2007 | 17h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.