Indiciados bombeiro e dono de pousada por morte de casal em Brumadinho

Universitários morreram asfixiados por gás de aquecedor mal instalado; inquérito foi enviado à Justiça

Marcelo Portela, O Estado de S.Paulo

27 Fevereiro 2012 | 17h09

BELO HORIZONTE - A Polícia Civil de Minas Gerais indiciou o proprietário de uma pousada de luxo e um bombeiro hidráulico por homicídio pelas mortes de um casal de universitários ocorridas no estabelecimento em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte. Alessandra Paolinelli de Barros, de 22 anos, e Gustavo Laje Caldeira Ribeiro, de 23, foram encontrados mortos na cama de um chalé da pousada em março do ano passado, quando comemoravam um ano de namoro.

Segundo a polícia, eles morreram intoxicados por excesso de monóxido de carbono exalado para dentro do quarto por causa de uma falha na instalação do aquecedor a gás da banheira. De acordo com a delegada Elenice Ferreira, o equipamento foi instalado do lado de fora, como determina a lei, mas apagava constantemente por causa dos fortes ventos que assolam a região.

Para solucionar o problema, o proprietário contratou o bombeiro que, sem consultar nenhum engenheiro, sugeriu a construção de uma parede de alvenaria para cercar o aquecedor e a chaminé para liberação do gás foi removida. O monóxido de carbono, que não tem cheiro e causa sonolência e asfixia, entrou no quarto pelo sistema hidráulico da banheira, que, de acordo com a delegada, ficou ligada por cerca de dez horas.

O proprietário da pousada e o bombeiro foram indiciados por homicídio culposo - quando não há intenção de matar - por imprudência. De acordo com a delegada, o inquérito foi enviado à Justiça com uma recomendação ao Ministério Público para que seja feita fiscalização nesse tipo de estabelecimento para evitar outros casos do tipo.

Mais conteúdo sobre:
BrumadinhopousadacasalmorteMG

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.