Indio anuncia entrada no PSD de Kassab

O ex-deputado Indio da Costa, que disputou a vice-presidência da República na chapa de José Serra (PSDB) indicado pelo DEM, anunciou ontem à tarde, pelo Twitter, que vai participar da criação do PSD. "Vou para o PSD fazer política moderna, independente, sem rancores, por um Brasil melhor. Levo comigo os valores que sempre defendi", escreveu. A criação da nova legenda vem sendo articulada pelo prefeito paulistano Gilberto Kassab, que, como o ex-deputado, se desligou do DEM.

Clarissa Thomé / RIO, O Estado de S.Paulo

04 Abril 2011 | 00h00

Sem mandato, Indio se disse "absolutamente tranquilo" para se engajar na criação do PSD. Ele afirmou ter cogitado entrar no PPS ou no PSDB - , "bons partidos", segundo ele -, mas notícias sobre uma possível fusão dessas siglas com o DEM teriam feito o ex-deputado mudar de ideia.

Futuro. Indio deixou o DEM na semana passada, após divergências com o ex-prefeito do Rio Cesar Maia e o filho dele, o deputado Rodrigo Maia. Ele é cotado como um dos nomes para disputar a Prefeitura do Rio em 2012. Questionado sobre uma eventual candidatura, disse: "Não tenho a menor ideia".

Segundo Indio, "questões locais" provocaram sua saída do DEM. "A falta de democracia interna do partido é uma delas. Não se pode pregar democracia para o País e dentro da própria casa não ter democracia."

O ex-deputado acertou a adesão ao PSD em reunião com o Kassab, no sábado. "O PSD tem toda a condição de ser um partido moderno, com discussões conectadas com a sociedade brasileira", avaliou.

Questionado se a nova legenda poderia vir a integrar a base do governo, respondeu que o partido "nasce independente para contribuir com o Brasil". "As propostas que são boas para a sociedade terão todo apoio nosso. O que a gente achar que não é bom para sociedade vai ter uma crítica", desconversou.

Indio refutou as críticas de que o PSD nasce sem linha ideológica - em entrevista à rádio Estadão ESPN, na semana passada, Kassab, disse que a legenda "não será de direita, não será de esquerda, nem de centro".

"Eu me sinto num partido muito moderno. Essa linha ideológica a que se referem caiu por terra quando Tony Blair fez a terceira via, que colocava que você pode ter um governo com políticas de direita e de esquerda, sendo colocado como tese de maneira consistente. E isso acontece hoje no Brasil - um governo de esquerda, com políticas econômicas em grande parte de direita", alegou Indio. O ex-deputado disse que foi procurado por "muita gente" - entre deputados, vereadores e prefeitos - interessados em ingressar no PSD.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.