Índios acusados de matar policiais civis são presos no MS

Estão detidos na carceragem da Polícia Federal em Dourados (MS) seis índios da tribo Guarani-Caiuá acusados de assassinar, no final da tarde do último sábado, dois policiais civis. A Polícia acusa os índios de terem armado uma emboscada. Acredita-se que eles possam ter pensado que os dois homens eram seguranças contratados por fazendeiros.Os policiais chegaram ao local em um veículo descaracterizado para cumprir um mandado de prisão. A Fundação Nacional do Índio (Funai) diz que está surpresa com o comportamento violentos dos Guarani-Caiuá, pois nunca houve registro deste tipo de ação por parte dessa tribo. Segundo o delegado Fernando Pacielo, "não houve confronto" e sim "um ato unilateral do bando em cima dos policiais". Os índios negam a participação no assassinato.Segundo o Estatuto do Índio, de 1973, todos os índios que vivem isolados na selva são inimputáveis - não podem ser punidos quando cometem um crime - porque, em tese, não sabiam o que faziam. No caso dos índios de Dourados, acusados de terem matado os policiais, eles são considerados integrados à sociedade, o que significa que tinham consciência do que estavam fazendo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.