Índios estão fortemente armados na reserva em Rondônia

A área de inteligência da Polícia Federal revelou que vários índios cinta-larga estão fortemente armados dentro da reserva Roosevelt, no interior de Rondônia, onde um conflito na Semana Senta deixou pelo menos 29 garimpeiros mortos. O sindicato dos garimpeiros de Rondônia afirma que outras 99 pessoas estão desaparecidas e 35 delas podem estar mortas.Nesta segunda-feira a PF conseguiu retirar e levar para Porto Velho os 26 corpos de garimpeiros - outros três já haviam sido localizados - da área dos cinta-larga, onde está uma grande jazida de diamantes. As buscas a outros supostos garimpeiros assassinados foram praticamente encerradas por causa das chuvas.A decisão de levar os corpos para Porto Velho foi para evitar um confronto entre parentes e amigos dos mortos com os índios em Espigão D´Oeste, onde a maioria morava. O Sindicato dos Garimpeiros de Rondônia informou que isso não era necessário por causa do forte aparato policial. "Nós acreditamos da lei e na Justiça, por isso não haverá retaliação" disse um dos diretores da entidade, que prefere manter-se no anonimato por ordem da própria PF.A maior parte dos índios cinta-larga que vivia entre Pimenta Bueno, Cacoal e Espigão D´Oeste voltou para as aldeias dentro da reserva Roosevelt, temendo represálias. "Estamos fazendo de tudo para manter a tranqüilidade na região e evitar reações de um lado ou de outro", afirmou o delegado Mauro Spósito, coordenador-geral de operações especiais de fronteira.

Agencia Estado,

19 de abril de 2004 | 20h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.