Divulgação/Blog Faro Fino
Divulgação/Blog Faro Fino

Índios queimam quartel da PM no oeste do Pará

Incêndio seria uma represália ao assassinato do índio Lelo Akay, ocorrido há 15 dias

Carlos Mendes , Especial para O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2012 | 16h32

BELÉM - O quartel da Polícia Militar em Jacareacanga, município do oeste do Pará, foi invadido, saqueado e queimado na noite da última segunda-feira, 2, por 50 índios Munduruku. O incêndio seria uma represália ao assassinato, ocorrido há 15 dias, do índio Lelo Akay.

Duas metralhadoras e um revólver calibre 38 foram levados. Os militares que estavam no local não apresentaram resistência e fugiram.

Akay foi morto a facadas e pauladas durante um assalto em que criminosos levaram algumas pepitas de ouro que o índio carregava. Dois homens chegaram a ser presos, mas foram soltos pelos militares. Quatro pessoas são suspeitas de envolvimento no crime.

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar a morte do índio e a destruição do quartel. O delegado Sílvio Maués, diretor de polícia do interior, informou que reforços já foram enviados para restabelecer a ordem em Jacareacanga.

Cerca de 500 índios estariam na cidade à procura dos assassinos de Akay, prometendo incendiar bares suspeitos de vender drogas. O quartel da PM entrou em prontidão e os comerciantes locais afirmam que o clima na cidade é de medo.

De acordo com o morador Pedro Oliveira, os índios chegaram pintados para a guerra, fechando a estrada de acesso à área urbana com manilhas de cimento armado. "Quatro PMs que estavam no quartel fugiram só com a roupa do corpo, deixando tudo o que tinham para trás".

Ele relatou que o índio Aldo Cardoso Munduruku, líder do grupo, tinha a intenção de pegar como refém o sargento PM Cajado. "O Aldo gritou na cidade que os índios iriam pegar o sargento Cajado, tirar a roupa dele e amarrá-lo. Ele dizia que se o "branco" matou o índio escondido, os índios matariam o sargento para todo mundo ver", disse a comerciante Maria Conceição.

Os Munduruku, temidos pelo espírito guerreiro, têm forte presença na vida social e econômica de Jacareacanga, com 37 mil habitantes. Dos nove vereadores da cidade, quatro são índios. O vice-prefeito também pertence ao grupo. Cerca de seis mil índios vivem na região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.