Indústria é incentivada a contratar ex-presidiários

O governo de Minas lança hoje, em parceria com a Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), um programa para incentivar a contratação de ex-presidiários. O governo estadual pagará uma ajuda de dois salários mínimos por mês, por um período de até dois anos, para cada ex-detento contratado por empresas conveniadas ao programa. Trinta e seis empresas, incluindo algumas das maiores indústrias do Estado, já aderiram ao programa.Na primeira etapa do programa, batizado de Projeto Regresso, serão abertas 600 vagas. As empresas terão direito ao incentivo para contratar número de ex-detentos equivalente a até 5% do total de funcionários. Os custos da qualificação profissional serão bancados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem da Indústria (Senai) e pelo Serviço Social da Indústria (Sesi).Pesquisas da Secretaria de Defesa Social mostraram que grande parte dos ex-presidiários volta ao crime. "Todo homem é maior do que seu erro", diz o detento Gustavo Praça, de 24 anos, que está sendo preparado para disputar uma das vagas do Projeto Regresso quando deixar a penitenciária, dentro de um mês. Condenado a 5 anos e meio de detenção por tráfico, ele aprendeu os ofícios de pedreiro e office-boy. Teve aulas de informática e, agora, conclui um curso para ser gestor. "Estou enxergando novas perspectivas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.