Infraero: 32 vôos tiveram decolagem prejudicada em Brasília

O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, informou à Agência Estado que 32 vôos tiveram a decolagem prejudicada na manhã desta sexta-feira, 27, no aeroporto internacional de Brasília. Entre as 6h47 até às 10h42, vários vôos com destino a Cuiabá, Campo Grande, São Paulo e região Sul foram retidos e atrasados por determinação do Departamento de Controle de Tráfego Aéreo, vinculado ao comando da Aeronáutica.O ordenamento de fluxo das saídas de Brasília foi uma estratégia adotada para evitar sobrecarga dos controladores de vôos que, por norma internacional e questões de segurança, não podem monitorar mais de 14 aviões ao mesmo tempo. Segundo Pereira, no início da manhã desta sexta foi mais uma vez detectado um congestionamento de vôos em um dos setores do controle de tráfego aéreo próximo da capital federal. "Ainda estamos buscando informações sobre porque está havendo esse excesso de tráfego nessa região nesses dias", afirmou o brigadeiro. Ele informou que dos 32 vôos prejudicados, o caso mais grave ocorreu com um vôo da Gol que partiria para São Paulo às 7h da manhã e só decolou às 10h58. Foram quatro horas de atraso.De acordo com a Infraero, por causa da grande concentração de pessoas no aeroporto houve "muita degradação" das instalações em geral, o que exigirá um esforço de recuperação e limpeza por parte da estatal que é a responsável pela administração dos aeroportos. "O aeroporto foi violentamente degradado, de banheiros aos cafés, com demanda excessiva por serviços de táxi e de ônibus", comentou Pereira.Sobre as críticas feitas hoje pela Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), que representa empresas de aviação executiva, rebatendo as afirmações do governo de que há um excesso de jatos executivos prejudicando o controle de tráfego próximo à Brasília, o brigadeiro apenas manteve a avaliação. "Estamos notando, de fato, um aumento de vôos dos aviões de pequeno porte. Entendo as ponderações da entidade, mas o que está acontecendo é um fato e não se trata de buscar culpados, nem de dizer que isso é certo ou errado", comentou o brigadeiro.Ele acrescentou que a Aeronáutica está trabalhando para minimizar os transtornos dos usuários e, juntamente com a Infraero, vai se manter de prontidão ao longo dos próximos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.