Infraero acha difícil haver sobreviventes no acidente da Gol

O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, e a diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu, informaram em entrevista à imprensa na manhã deste sábado, no aeroporto de Brasília, que foram encontrados os destroços da aeronave Boeing 737-800 da Gol por volta das 9 horas, nas proximidades da fazenda Jarinã, a 200 km a sudeste do município de Peixoto de Azevedo, norte de Mato Grosso, divisa com o Pará.Segundo o brigadeiro, a região é de mata densa e de difícil acesso. Dois helicópteros da Força Aérea Brasileira (FAB) estão sobrevoando o local e, segundo a Infraero, fariam o acesso à terra por meio de rapel (desceriam por cordas).As primeiras informações, segundo o brigadeiro, apontam que houve uma queda vertical da aeronave e, nesse tipo de acidente, é difícil encontrar sobreviventes. Mas ele ressaltou que são poucas as informações até agora para se dar certeza absoluta de qualquer coisa. Ele disse que não há sinais de fogo e explosão do avião.Os aviões da Gol e o Legacy da Embraer, que teriam supostamente se chocado no ar, estariam numa distância inferior a 300 metros, que é o considerado o padrão mundial de separação entre aviões no ar. "Mas eu não tenho o plano de vôo para afirmar quem estaria errado e isso vai depender de uma investigação completa que será conduzida pela Anac e pela FAB", disse Pereira. A diretora da Anac afirmou que isso pode levar até 3 meses.O presidente da Infraero disse que a investigação vai ter de responder a duas perguntas: Por que dois aviões estavam no mesmo nível de vôo e se os dois aviões eram modernos e bem atualizados, com instrumentos anticolisão, por que esses equipamentos não impediram o acidente.O avião da Gol que fazia o vôo 1907 partiu na sexta-feira, às 15h35 (horário de Brasília), do aeroporto de Manaus e tinha chegada prevista ao aeroporto de Brasília às 18h12 de onde seguiria para o Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro. Segundo a Infraero, o momento em que o avião desapareceu do radar foi às 16h48. Estavam a bordo 155 pessoas, sendo que 149 delas eram passageiros e 6 tripulantes.Comunicado da GolA Gol Linhas Aéreas comunicou, no início da tarde deste sábado, 30, que aguarda as informações das autoridades aeronáuticas sobre a localização de sobreviventes do vôo 1907, acidentado, nesta sexta-feira, a 30 km do município de Peixoto Azevedo (MT). De acordo com a nota divulgada, "a empresa vai divulgar continuamente informações assim que elas estiverem disponíveis e expressa suas condolências aos familiares e amigos das vítimas".A empresa ressaltou que "não mede esforços para prestar toda a assistência possível a esses familiares, que estão sendo atendidos pela empresa em várias localidades brasileiras". O apoio oferecido pela GOL inclui:Hospedagem, Transporte, Alimentação, Assistência médica, Atendimento psicológico especializado, Assistência religiosa e custeio dos funerais, conforme o comunicado.Famílias A notícia de que havia sobreviventes no acidente do vôo da Gol deu um novo alento aos parentes e amigos de passageiros que aguardavam notícias no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro. "Enquanto há vida há esperança" , disse, emocionado, Sérgio Luís Moraes de Souza, cunhado do Maria Auxiliadora Macena, que constava da lista de passageiros. Maria Auxiliadora fora a Manaus na semana passada, cuidar da mãe, que estava muito doente e acabou falecendo, na última quarta-feira. Ela voltava ao Rio quando ocorreu o acidente. Assim que tiveram notícias sobre o encontro dos destroços do avião da Gol, que caiu na Serra do Cachimbo, no Sul do Pará, parentes de passageiros correram ao aeroporto em busca de informações. Eles já haviam estado lá na noite anterior, onde permaneceram até as 2 horas, quando a empresa forneceu a lista de passageiros. Não há ainda uma informação oficial da Gol sobre o número de passageiros que desembarcariam no Rio. Extra-oficialmente, os comentários no aeroporto eram de que seriam 11 pessoas.Matéria atualizada às 13h40 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.