Infraero adota novo monitoramento de chuvas em Congonhas

A Infraero, empresa estatal que administra os aeroportos do País, vai adotar uma nova metodologia em breve para medir o acúmulo de água das chuvas na pista principal do aeroporto de Congonhas. Segundo o presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, a idéia é monitorar a possibilidade de empoçamentos na pista por meio da meteorologia. Pereira informou que essa forma de monitoramento teria começado a partir desta terça-feira, 23, pois na noite de segunda, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a Aeronáutica aprovaram o método.Por orientação do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), desde 29 de dezembro, as operações de pouso e decolagem em Congonhas estão sendo suspensas sempre que há chuva excessiva para que os técnicos da Infraero possam medir a lâmina d´água no asfalto para evitar derrapagens de aeronaves. Os pousos e decolagens são interrompidos sempre que a lâmina de água sobre o asfalto atinge 3 mm e a Infraero faz a limpeza da pista, o que provoca uma série de atrasos de vôos e causa um efeito cascata devido à malha integrada."Agora vamos acompanhar por meio da meteorologia os momentos mais críticos de chuvas e considerados de alerta para minimizar os transtornos em Congonhas", comentou Pereira, acrescentando que a paralisação de operações no terminal de Congonhas continuará sendo inevitável ao menos até o término das obras de recuperação da pista auxiliar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.