Infraero anuncia redução do tráfego em Congonhas

O presidente da Infraero,tenente-brigadeiro José Carlos Pereira, anunciou nestaquinta-feira que o tráfego aéreo em Congonhas será reduzido,após o acidente com um Airbus A320 da TAM . "A ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) chegou aalgumas conclusões e vai reduzir para pelo menos 35 ou 36movimentos hora", disse a jornalistas Pereira, sobre o tráfegoem Congonhas. Ele não especificou se o número se refere ao total de vôosou apenas aos vôos comerciais. Hoje Congonhas tem umamédia/hora de 38 vôos regulares e seis gerais. Pereira, que chegava ao Palácio do Planalto para umareunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ministros,procurou assegurar que a pista principal do aeroporto não teverelação com o acidente ocorrido na terça-feira. "Eu garanto que a pista não tem nada a ver com oacidente... assisti a fita (de video) e vi o que aconteceu",disse Pereira, acrescentado que ela está segura para aviões doporte do Airbus acidentado.Pereira relatou que o avião saiu da pista de Congonhas, antesde se chocar com os prédios, com a mesma velocidade com quechegou ao aeroporto, admitindo a possibilidade de ter haviadefeito na aeronave ou falha humana. O brigadeiro ressaltou, porém, que só a investigação poderádar respostas sobre as causas do acidente. Ele salientou aindaque não acha "justo" responsabilizar a Infraero. Muitasnotícias logo após o desastre apontavam a ausência de ranhurasna pista de Congonhas, recentemente reformada pela Infraero,como algo que teria contribuído para a tragédia. Questionado para onde seriam transferidos os vôos com aredução do tráfego em Congonhas, Pereira indicou que Cumbica,na Grande São Paulo, e Viracopos, em Campinas, poderiam vir aabsorver a demanda, admitindo até a possibilidade de jatosparticulares serem transferidos para Jundiaí. Perguntado se defendia o fechamento de Congonhas, elenegou. "A não ser que alguém me diga onde colocar 20 milhões depassageiros." Ele negou pressão das companhias aéreas para que a pistaprincipal de Congonhas voltasse a operar rapidamente após areforma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.