Infraero aponta atrasos em 20,1% dos vôos programados

Situação melhora aos poucos; Cumbica viveu caos no início desta terça

Agencia Estado

04 Julho 2007 | 17h29

Um novo boletim divulgado no início da noite desta terça-feira, 3, pela Infraero aponta que 20,1% dos vôos programados para todo o País entre meia-noite e 18 horas sofreram atrasos de mais de uma hora e 11,7% das operações foram canceladas. Porém, até este horário, apenas 2,6% dos vôos continuavam atrasados. Dos 1.409 vôos previstos, 282 atrasaram, enquanto 156 foram cancelados. Contudo, às 18 horas, somente 30 operações permaneciam fora do horário previsto. Por volta das 13 horas, quando a Infraero divulgou outro boletim, a situação era bem mais complicada - 61% dos vôos eram impontuais. Madrugada dramática A situação está dramática para os usuários do Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, desde o final da noite de segunda-feira, quando as operações do aeroporto foram canceladas por conta do forte nevoeiro que atingia a região. Há relatos de passageiros que esperaram mais de 16 horas para conseguir embarcar. Um destes casos aconteceu com os passageiros do vôo JJ3324 da TAM, que deveria ter saído às 20h45 de Guarulhos, e só levantou vôo por volta do meio-dia desta terça-feira, 3. A Polícia Federal foi acionada para retirar os 33 passageiros do vôo, que se negaram a sair da aeronave. "A gente entende o que está acontecendo, mas ninguém deu nenhuma informação. Falam apenas que o vôo está anulado, sem previsão, mas não dizem nem que é problema meteorológico", contou Diane Moreira, de 35 anos, que viajaria pela TAM. "O pior são as crianças, que reclamam, pedem para ir para casa e falam que estão com medo." O mesmo foi sentido por uma família argentina que veio ao Brasil para passar férias até 23 de julho. Os problemas para Diego, Lorena e Ivana Fernandez, de 39, 34 e 11 anos, começaram em Buenos Aires, onde era difícil conseguir informações com funcionários da Gol. O vôo com destino a São Paulo, marcado para as 11 horas de segunda-feira, só saiu da capital portenha às 18h30. "Chegamos aqui às 9 da noite e levamos três horas para remarcar as passagens para Salvador. Ficamos duas horas na fila do táxi, para estar de volta ao aeroporto às 9 horas", contou Diego Fernandez. Eles perderam um dia de descanso na capital baiana, onde haviam, inclusive, alugado um carro. "É uma falta de respeito total e os funcionários dizem que não há como registrarmos reclamações. Não descansamos, comemos por nossa conta e estamos há quase 24 horas acordados. É a quarta e a última vez que estamos no Brasil", declarou Lorena. Durante a madrugada, vários pousos foram transferidos para o Aeroporto de Viracopos, em Campinas, a 95 quilômetros da Capital. A Infraero, no entanto, não divulgou nenhuma informação oficial. Ao menos 32 vôos foram transferidos de São Paulo para Campinas entre a noite de segunda e a madrugada de terça-feira. Diferentemente do que ocorreu entre sexta-feira e o último sábado, o clima no aeroporto estava tranqüilo. Muitos passageiros aguardaram a saída para o destino final dentro dos aviões. Ao menos mil passageiros foram orientados a utilizar o serviço de traslado rodoviário oferecido pelas companhias. Condições dos aeroportos no início da noite BELÉM: 32 vôos programados - 9 atrasados - 1 cancelado BRASÍLIA: 88 vôos programados - 20 atrasados - 5 cancelados CONGONHAS: 212 vôos programados - 17 atrasados - 32 cancelados CONFINS: 56 vôos programados - 10 atrasados - 5 cancelados CURITIBA: 62 vôos programados - 17 atrasados - 5 cancelados FLORIANÓPOLIS: 24 vôos programados - 8 atrasados - 1 cancelado FORTALEZA: 43 vôos programados - 11 atrasados - 4 cancelados GALEÃO: 124 vôos programados - 23 atrasados - 19 cancelados GOIÂNIA: 21 vôos programados - 4 atrasados - nenhum cancelado GUARULHOS: 139 vôos programados - 23 atrasados - 17 cancelados PORTO ALEGRE: 57 vôos programados - 26 atrasados - 12 cancelados RECIFE: 53 vôos programados - 18 atrasados - 7 cancelados SALVADOR: 76 vôos programados - 20 atrasados - 12 cancelados (Colaborou Andressa Zanandrea, do JT, e Tatiana Favaro, do Estadão)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.