Infraero: atrasos atingem 30,3% dos vôos em todo o País

Os atrasos nos vôos persistem. O último boletim divulgado pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), aponta que houve mais um ligeiro aumento no porcentual de vôos atrasados. Da zero hora até às 18 horas desta segunda-feira, 30,3% dos vôos registraram atrasos superiores a uma hora. Segundo a Infraero, estatal que administra os aeroportos, dos 1.403 vôos programados, 425 foram afetados pelos atrasos.Por volta das 18 horas, no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, cerca de 23 vôos apresentavam atrasos, entre chegadas e partidas. Segundo o site da Infraero, um vôo da companhia aérea BRA que tinha previsão inicial de pousar às 16h40, deve pousar no terminal apenas às 23h15, com pouco mais de 6h30 de atraso.O Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista, registrava 19 vôos com atrasos. Um vôo da aérea TAM que deveria chegar ao terminal as 14h45 deveria chegar somente às 18 horas - mais de três horas de atraso. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), ainda não há uma posição por parte dela para que Congonhas estenda seu horário de funcionamento para depois das 23 horas.O Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, apresentava cerca de dois vôos atrasados. Já o Aeroporto Tom Jobim, no Rio, não mostrava o quadro de vôos.Causas da paneAinda nesta segunda feira, a assessoria de imprensa do Ministério da Defesa emitiu nota oficial explicando as causas para os atrasos que começaram no domingo, 18. Segundo a nota, as fortes chuvas na capital paulista obrigaram Congonhas a fechar por aproximadamente duas horas, das 7 às 9 horas. Ainda no mesmo dia, às 10h06, o sistema de processamento de plano de vôos do Centro de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo (Cindacta-1) teria sofrido uma falha de operação. "Para preservação da segurança, até que o sistema fosse plenamente recuperado, foi necessário que os tráfegos fossem espaçados, inicialmente em 30 minutos, sendo esse tempo reduzido gradativamente", afirmou o Ministério da Defesa.Por volta das 15 horas uma queda de energia no Aeroporto de Brasília causou uma degradação dos sistemas da torre para o controle dos planos de vôo, somando-se assim aos outros dois motivos apresentados. "Os atrasos de hoje decorrem de um efeito cascata das operações de ontem", diz o comunicado.Segundo o Ministério da Defesa, na manhã desta segunda, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou a apuração imediata e rigorosa das causas do ocorrido com vistas à tomada das ações necessárias. A cobrança foi feita em reunião com a ministra Dilma Roussef (Casa Civil), Waldir Pires (Ministério da Defesa), general Jorge Armando Félix, do Gabinete de Segurança Institucional, o comandante da Aeronáutica, Tenente Brigadeiro do Ar Juniti Saito e os representantes da Anac e da Infraero.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.