Infraero: atrasos chegam a 29,2% dos vôos em todo o País

O boletim parcial desta segunda-feira, divulgado pouco antes das 13 horas pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), mostrava que a situação dos atrasos continuava nos aeroportos do País. De acordo com a Infraero, estatal que administra os aeroportos, da zero hora até o meio-dia, dos 839 vôos programados, 245 apresentaram atrasos superiores a uma hora, o que corresponde a 29,2% do total.A situação mais complicada era verificada no Aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro, onde cerca de 22 vôos, entre chegadas e partidas, tiveram atrasos. Um vôo da Gol com destino a Porto Alegre era para ter decolado às 9h50 e a previsão, segundo o site da Infraero, era que só decolasse às 14h30, com quase cinco horas de atraso.O Aeroporto de Congonhas, na capital paulista, mostra situação bastante parecida, com 19 vôos atrasados. Os atrasos chegam a quase três horas, como era o caso de um vôo da TAM que deveria ter pousado em Congonhas às 10 horas e estava sem previsão até por volta das 13 horas. Para aumentar o problema de atrasos, a pista do aeroporto teve ser fechada por cerca de 30 minutos, depois que um cachorro invadiu a pista, segundo informações do jornal SPTV, da TV Globo.A situação era complicada também para os passageiros do Aeroporto Tancredo Neves, em Belo Horizonte, onde, de acordo com a Infraero, aproximadamente 18 vôos apresentavam atrasos de mais de uma hora. No Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, próximo a capital paulista, a Infraero registrava cerca de 14 vôos com atrasos.No Aeroporto Afonso Pena, em Curitiba, eram verificados cerca de onze vôos com atrasos. Já no Aeroporto Santos Dumont, no Rio, sete vôos apresentavam atrasos. Não era possível verificar a situação no Aeroporto Juscelino Kubitschek, em Brasília, por meio do site da Infraero. Segundo a assessoria de imprensa da estatal, em Brasília, por conta dos problemas de domingo no sistema ainda não era possível atualizar os vôos para publicar no site.Pane de domingoUma pane no Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo (Cindacta-1), em Brasília, responsável pela segurança aérea das regiões Sudeste e Centro-Oeste, provocou muitos atrasos em vôos e transtornos aos passageiros nos aeroportos do País. O problema durou 20 minutos, mas foi suficiente para refletir um efeito cascata nos demais aeroportos. Somente por volta das 14 horas, o sistema informatizado de comunicação do Cindacta-1 foi consertado.No domingo, segundo a Infraero, dos 1.670 vôos programados, 394 apresentaram atrasos superiores a uma hora, o equivalente a 23,5% do total. O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, disse nesta segunda-feira, em entrevista à TV Globo, que a situação não deverá se normalizar antes das 15 horas desta segunda. "As companhias (aéreas), sou testemunha, estão fazendo o que podem, mas não acredito que nesta segunda-feira antes das 15 horas esteja tudo normalizado. É praticamente impossível isso", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.