Infraero comemora sucesso da Operação Verão nos aeroportos

Sergio Gaudenzi, presidente da empresa, diz que houve uma perfeita integração entre os envolvidos no setor

Paulo R. Zulino, do estadao.com.br,

02 de janeiro de 2008 | 10h18

Após 12 dias da criação dos Núcleos de Acompanhamento e Gestão Operacional, a Infraero fez um balanço do resultado da atividade nos principais aeroportos do Brasil. Segundo a empresa, houve aumento de passageiros e redução gradativa de atrasos. O sucesso da chamada Operação Verão 2008 é atribuído à maior integração do setor e ao pessoal que trabalhou com dedicação, segundo informa a empresa.  O presidente da Infraero, Sergio Gaudenzi, comparando os problemas ocorridos no fim de 2006 com o quadro apresentado este ano, afirma que foi diferente: "Houve uma perfeita integração entre a empresa, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e o Departamento de Controle do Espaço Aéreo". Sobre o aumento no número de passageiros, o presidente lembra que, "em 2006, ultrapassamos 100 milhões de passageiros transportados. Em 2007, devemos ultrapassar os 110 milhões. É um aumento normal, no mundo todo", explica. A respeito da redução gradativa de atraso dos vôos e a visível tranqüilidade nos aeroportos da rede, o diretor de operações da Infraero e responsável pela Operação Verão 2008, tenente brigadeiro do ar Cleonilson Nicácio Silva, declarou que houve uma melhoria significativa. "São as milhares de pessoas que de norte a sul e de leste a oeste trabalharam para fazer funcionar com segurança todo o sistema de aviação civil e de controle do espaço aéreo. São todos aqueles que se esforçaram e trabalharam com dedicação e seriedade", comenta. Para ele, "ficou provado que nós, brasileiros, temos competência para gerir o sistema e a Infraero vai continuar se esforçando para aperfeiçoar a infra-estrutura aeroportuária. "Queremos dar ao passageiro nacional e internacional o máximo de conforto e segurança nos aeroportos".

Tudo o que sabemos sobre:
Infraeroaeroportos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.