Infraero distribui cartilha no Pan com ''''brincadeira de aeroporto''''

Na história em quadrinhos, duas crianças levantam dúvidas sobre aviação; brigadeiro diz que não viu livreto pronto

Robson Morelli, RIO, O Estadao de S.Paulo

24 Julho 2007 | 00h00

Parece brincadeira de mau gosto, mas não é. Na semana em que o Brasil ficou estarrecido com o acidente com o avião da TAM em São Paulo, a Infraero começou a distribuir nos locais de provas dos Jogos Pan-Americanos, no Rio, uma cartilha intitulada Lição de Aeroporto. Trata-se de uma história em quadrinhos, toda colorida, em que os dois personagens principais são duas crianças, Luísa e Beto, brincando no quintal de suas casas, debaixo de uma grande árvore. Deitadas no chão, elas olham para o céu e começam a admirar os aviões que passam. "Olha, Luísa, lá vem um", diz Beto, apontando para cima. No gibi, apenas a sombra de um avião no quintal. A história vai se desenrolando a fim de responder aos leitores perguntas básicas sobre a aviação, por exemplo como os pilotos fazem para enxergar à noite lá do alto. Luísa e Beto começam então a "brincar de aeroporto". "Luísa, como o piloto de avião consegue ver alguma coisa aqui embaixo", pergunta Beto. "Ah, ele deve ter um binóculo!", diz a menina. No diálogo seguinte, Beto segura uma placa próximo à árvore: "Aeroporto - pouse aqui!" Mais adiante, no mesmo bloco, dizia: "A gente podia construir um aeroporto aqui no quintal. Aí o avião desceria para a gente ver como ele é!" Na seqüência, já com os meninos tentando conhecer um aeroporto de verdade após a escola, aparece uma terceira personagem. "Eu vou visitar minha filha. Mas nunca andei de avião antes. Estou um pouca nervosa", diz uma senhora entrevistada pela dupla de garotos. "Dizem que o avião é o meio de transporte mais seguro que existe." E é mesmo, conclui o último quadro daquela página. Carlos, outro personagem, com crachá da Infraero informa aos meninos: "A Infraero é uma empresa pública que administra os principais aeroportos brasileiros, além de dezenas de terminais de carga. A cada ano, mais de 400 milhões de usuários e passageiros passam por seus aeroportos..." Carlos passa então a comandar a narrativa, contando e dando detalhes de como a Infraero trabalha e quais são suas principais atribuições. "A empresa tem um programa permanente de modernização dos seus aeroportos." No fim do livrinho, Luísa e Beto concluem que seria impossível um avião pousar no quintal de suas casas. O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, disse ontem à noite que aprovou a distribuição dos livretos, mas não chegou a ver o material impresso. "A Comunicação Social disse que estava ok, mas amanhã (hoje) verei e, se preciso, tomarei providências."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.