Infraero diz que atrasos atingem 36% dos vôos nesta quarta

Boletim parcial divulgado pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) confirma continuidade de atrasos nos vôos na manhã desta quarta-feira. Até às 9h, dos 455 vôos programados, 269 apresentaram atrasos superiores a 15 minutos, que correspondem a 59,1% do total. Se somados os atrasos de 30 a 45 minutos (88 vôos), com os superiores a 45 minutos (76 vôos), chega-se a um total de 164 vôos com atrasos - 36%, no total.O Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos, contabilizava 16 vôos atrasados e 12 cancelados até às oito horas, entre eles três partidas para Buenos Aires. Em Congonhas, na zona sul da cidade, a situação era aparentemente melhor nesta quarta-feira, com cinco vôos fora do horário e apenas um cancelado.No Rio de Janeiro, Aeroporto Internacional Tom Jobim/Galeão contabilizava três vôos fora do horário. Outros dez vôos nacionais e dois internacionais, para Buenos Aires e Bogotá, foram cancelados. No Aeroporto Santo Dumont, a situação era melhor, pois há registro de apenas um vôo da ponte aérea Rio-São Paulo com atraso.O Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, tinha um quadro mais calmo em relação aos últimos dias e registrava apenas dois vôos com atraso.CritériosA crise no setor aéreo levou a Infraero a flexibilizar seus critérios de definição para atrasos de vôos. Até a semana passada, a empresa considerava atrasados os pousos ou decolagens concluídos 20 minutos depois do previsto. Porém, desde segunda-feira os atrasos são divididos em blocos de 15, 30 e 45 minutos após o previsto.Assim, se verificado apenas os atrasos superiores a 45 minutos o percentual de pousos e decolagens com atrasos cai para 16,9%. De 15 a 30 minutos, 109 vôos (24,2%) apresentam atrasos, e de 30 a 45 minutos outros 88 vôos, que correspondem a um percentual de 19,6%.Para a Infraero, estatal que administra os 68 aeroportos do Brasil, atrasos de até 45 minutos podem ser ocasionados por problemas meteorológicos, percalços técnicos das companhias aéreas, ou "eventualmente por conta de problemas no tráfego aéreo".A Assessoria de Imprensa da empresa informou que a mudança foi decidida por técnicos da Diretoria de Operações para se adequar ´aos padrões da Organização Internacional da Aviação Civil (Icao, na sigla em inglês)´. Mas, ainda segundo a assessoria, a Infraero reconheceu que o atual cenário, com recorrentes problemas de controle aéreo, influiu na alteração dos critérios, estendendo o limite dos atrasos. A empresa garante que vai retomar o padrão de 20 minutos de atraso assim que a situação for normalizada.Esta matéria foi atualizada às 10h22

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.