Início de incêndio atinge alegorias da Beija-Flor

Um princípio de incêndio no atelier de escultura, no segundo andar do barracão da escola de samba Beija-flor de Nilópolis, destruiu 30 fantasias do ano passado e parte das alegorias que seriam reaproveitadas em 2003. O fogo começou por volta de 5 horas, quando só o porteiro, Luiz Eduardo Arantes Pereira, e dois vigias estavam no local. Eles mesmo conseguiram conter as chamas, que não se espalharam pelo resto do galpão. O presidente de honra da agremiação, Aniz Abrãao David, o Anísio, esteve no barracão, situado na zona portuária, no centro da cidade. Ele constatou que o carnaval do ano que vem não será prejudicado, porque o trabalho ainda está começando e o enredo ainda nem foi escolhido. Os bombeiros foram chamados, mas chegaram depois que o fogo tinha sido apagado.Desde 1999, este é o terceiro incêndio em barracões de escolas de samba. O primeiro aconteceu às vésperas do carnaval daquele ano, na União da Ilha, e o local foi desativado. Em agosto do ano passado, foi a vez da Imperatriz Leopoldinense, e o fogo atingiu também a Unidos do Viradouro. A Defesa Civil chegou a interditar os barracões, mas ambos logo voltaram a funcionar. O risco nos barracões é grande porque funcionam em armazens portuários antigos, que não passaram por reformas elétricas, e neles se guardam materiais altamente inflamáveis, como isopor, tecidos, resinas plásticas e madeira. Há planos de transferi-los para instalações mais seguras, como parte da reurbanização da zona portuária, mas nada de concreto foi feito, até agora, nesse sentido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.