Inocente é morto durante briga em casa de espetáculo

Um rapaz morreu e quatro ficaram feridos na saída da casa de espetáculos Olimpo, na Vila da Penha, zona norte do Rio, no fim da madrugada desta sexta-feira. Dois rapazes ainda estão internados no Hospital Getúlio Vargas. De acordo com a Polícia Militar, os quatro baleados se envolveram em uma confusão durante a festa que foi realizada no Olimpo na noite de quinta-feira e se estendeu pela madrugada desta sexta-feira. A discussão continuou do lado de fora. Um dos jovens se retirou e voltou armado, atirando. O garoto que morreu, Diego Leandro da Silva, de 18 anos, não estava envolvido no tumulto, conforme relataram testemunhas, mas acabou sendo ferido no abdômen e na cabeça, quando ia embora. "Ele era um menino muito calmo, de boa índole. Nunca se meteu em confusão", lamentou uma amiga. Os donos do Olimpo não comentaram o incidente."Fiquei muito assustada. Ouvi muito tiro, vi muita gente chorando", contou uma moradora, que assistiu a tudo. Testemunhas disseram que os rapazes pareciam estar bêbados - na casa de shows, era oferecida dose quádrupla de cerveja: quem comprava uma, ganhava três. Caixa Cerca de 12 homens armados com fuzis e pistolas assaltaram, na madrugada desta sexta, o Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa) - um dos mais prestigiados da América Latina -, cuja sede fica no Jardim Botânico, zona sul. Usando toucas ninjas, eles renderam três vigias, arrombaram um caixa eletrônico que fica no interior do prédio e fugiram carregando o cofre com uma quantia ainda não calculada.Na ação, que durou cerca de 20 minutos, os criminosos ainda roubaram as armas, uma aliança de ouro e um radiotransmissor dos vigilantes. O edifício onde funciona o Impa pertence ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Lá funciona também a Sociedade Brasileira de Matemática (SBM). Ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, o Impa é uma unidade voltada para o estímulo à pesquisa científica em matemática e à formação de novos pesquisadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.