Inquérito apontará Arruda como chefe do esquema

Inquérito apontará Arruda como chefe do esquema

O ex-governador José Roberto Arruda (sem partido) deverá ser relacionado em cerca de oito condutas criminosas e apontado como "cabeça da quadrilha", investigada pela Operação Caixa de Pandora, no relatório que a Polícia Federal começa a fechar hoje para entregar à Justiça até a próxima quinta-feira, fim do prazo para conclusão do inquérito.

Vannildo Mendes, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2010 | 00h00

A PF informou que o delegado Alfredo Junqueira, encarregado do inquérito, usará o dia de hoje para análise das provas e definição de todos os artigos do Código Penal violados pelos acusados. Os depoimentos finais, determinados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), serão tomados na segunda e terça-feira.

Os crimes atribuídos ao grupo incluem corrupção ativa e passiva, peculato, formação de quadrilha, fraude em licitação, crime eleitoral, sonegação tributária e improbidade administrativa.

No caso de Arruda há vários agravantes, entre os quais o uso do poder para obstrução da Justiça e a tentativa de suborno ao jornalista Edson dos Santos, o Sombra, testemunha-chave, além de falsidade ideológica.

Com base nas perícias em vídeos e documentos apreendidos e nas provas reunidas nos últimos quatro meses de investigação, o relatório citará mais de 30 outros envolvidos no escândalo.

Ontem, foram tomados cinco depoimentos. Entre eles, o do ex-deputado Júnior Brunelli, flagrado em vídeo fazendo a oração da propina e o ex-corregedor-geral do DF, Roberto Giffone, acusado da farsa dos panetones para justificar as propinas a Arruda.

Os deputados Benício Tavares (PMDB) e Rogério Ulisses (PSB) negaram ter recebido propina. A deputada Eurides Brito (PMDB) alegou problemas e saúde e não compareceu. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.