Inquérito apura morte em área contaminada pela Shell

A Polícia Civil de Paulínia, no interior de São Paulo, abriu inquérito policial nesta sexta-feira para apurar a causa da morte do caseiro José dos Santos, de 51 anos, que morou durante 17 anos no bairro Recanto dos Pássaros, contaminado por organoclorados pela Shell Química do Brasil nas décadas de 70 e 80. Santos morreu hoje no Hospital das Clínicas da Unicamp de câncer no esôfago.Ele deveria ter sido enterrado às 9 horas, mas o funeral foi adiado para a coleta de material para exames no Instituto Médico Legal. O delegado titular de Paulínia, Tadeu Brito de Almeida, solicitou a necrópsia. Até o final da tarde o corpo não havia sido enterrado.Segundo o delegado, os exames deverão apontar se relação entre a morte do caseiro e a contaminação da Shell. Caso seja confirmado, diretores da empresa podem ser denunciados por homicídio, conforme Almeida.A assessoria de imprensa da Shell informou que Santos foi encaminhado ao Hospital da Unicamp por agentes contratados pela empresa para negociar com os caseiros do bairro. De acordo com a assessoria, ele estava incluído no plano social da indústria, iria receber R$ 28,5 mil de indenização para deixar o bairro. Santos morava sozinho.Ainda conforme a assessoria, o médico Alexandre Berni, que assinou o atestado de óbito, informou como causa da morte câncer no esôfago provocado pelo consumo excessivo de álcool e cigarro. Para o advogado dos moradores do bairro, Valdir Tolentino de Freitas, a contaminação pode ter agravado o quadro clínico do caseiro. Em março, outro morador do Recanto dos Pássaros, Vicente Pedro dos Santos, de 57 anos, morreu de câncer no pulmão e teve a necrópsia solicitada pelo delegado. Ele morou no bairro por 27 anos. Almeida disse que ainda não recebeu os laudos periciais referentes à causa da morte de Vicente dos Santos, mas a previsão é de que lhes sejam encaminhados em dez dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.