Insegurança

A Rua Poema dos Olhos, no Jardim São Jorge, no quilômetro 18,5 da Rodovia Raposo Tavares, que era bem tranquila, de uns tempos para cá sofre com assaltos e roubos. Várias casas foram compradas por uma empresa, mas estão abandonadas e se tornaram esconderijo para assaltantes, que as invadem e cometem roubos. Para nós, moradores, só nos resta o medo, pois a empresa diz que existem seguranças, mas esses não protegem nada. Hoje a rua está deserta, quem trabalha e precisa sair muito cedo ou voltar muito tarde tem medo do que possa acontecer, mesmo os que ficam em casa temem pela segurança. Tudo isso começou quando a empresa alegou a alguns moradores que o local estava contaminado e ofereceu outras casas em outras regiões, mas, para outros moradores, nada foi explicado. Então buscamos a resposta e a solução para esse problema.RAQUEL LUCIANASão PauloA Assessoria da Polícia Militar informa que são desenvolvidas operações específicas para a preservação da ordem pública na região, por meio da 4.ª Companhia do 16.º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (16.º BPMM), com radiopatrulhamento, Policiamento Comunitário, Policiamento de Trânsito, Policiamento Integrado, Ronda Escolar, Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocam) e Força Tática. A Polícia Militar informa que a população também pode auxiliar por meio do Disque PM (0800-0555190), do Disque Denúncia (181), do Fale Conosco (www.polmil.sp.gov.br) e, em caso de emergência, pelo telefone 190. Faltam cicloviasEm um sábado, as crianças estavam alegres porque iriam andar de bicicleta no Parque da Água Branca. Desmontei as bicicletas, coloquei-as no porta-malas e, ao chegar no parque, as remontei na calçada. Mas para nossa surpresa fomos impedidos de entrar. O segurança foi gentil e, para se justificar, disse que a proibição fora publicada no Diário Oficial. Lamento. Quero saber o porquê da proibição. De quem partiu essa ideia? Por que não se constrói uma ciclovia no parque? A cidade de São Paulo carece de áreas de lazer e locais seguros de diversão para crianças se exercitarem e se divertirem. Precisamos de ciclovias não somente nos parques, mas também nas ruas e avenidas. É triste constatar que a administração pública caminha na contramão dos tempos. MARCOS BORGES FERREIRASão PauloEuzi Dognani, da Assessoria de Comunicação da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, administradora do Parque da Água Branca, esclarece que, segundo o regulamento interno, do parque, não é permitida a utilização de skates, patins, patinetes, bicicletas e equipamento similares, sem qualquer distinção de tamanho. Acrescenta que a proibição se justifica por causa do relevo acidentado do parque, do elevado número de visitantes, da circulação de grande número de idosos e da ocorrência de diversos acidentes envolvendo esses equipamentos e pedestres. No entanto, diz que será feita por essa administração, por causa dos diversos questionamentos com relação à proibição, um estudo sobre a possibilidade de liberar tal circulação dentro do parque, contemplando a idade dos usuários, o aro da bicicleta e afins, bem como os locais onde será permitida a circulação, entre outros aspectos que se mostrem necessários. O estudo será submetido à apreciação do conselho consultivo do parque para, se for o caso, alterar o regulamento. O leitor responde: Gostaria de sugerir a criação de uma ciclovia onde o parque é plano, próximo à área de equitação e exposições de animais, mesmo que seja destinada apenas às crianças.Esclarecimento: A Assessoria de Imprensa da Secretaria Estadual dos Transportes, a respeito da carta publicada no dia 6 de março sobre a Rodovia dos Tamoios, do leitor sr. Alcides Ferrari Neto, informa que o projeto de engenharia no trecho do planalto está em fase final de desenvolvimento. Acrescenta que providenciam o Relatório Ambiental Preliminar (RAP) à Secretaria de Meio Ambiente para que sejam fornecidas as licenças ambientais ao Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo (DER), que deverá licitar as obras para o segundo semestre. Acrescenta que nesse empreendimento serão investidos R$ 280 milhões para melhorias em 52,9 quilômetros. Esclarece que construirão duas novas pontes nos quilômetros 18 (Rio Capivari) e 28 (Rio Paraíba do Sul); que irão instalar duas passarelas, nos quilômetros 12 e 42, no bairro Teles II; informa também que haverá a ampliação de pontes e viadutos; a recuperação de estruturas ao longo da rodovia e a adoção de novos dispositivos em desnível. As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.