Inspeção veicular

Tendo em vista o baixo índice de reprovação (menos de 2%) dos veículos submetidos à inspeção veicular, por que não inspecionar a partir de 2010 apenas os veículos com mais de cinco anos de uso?

, O Estadao de S.Paulo

14 de setembro de 2009 | 00h00

ROBERTO BOTKOWSKI

São Paulo

A Secretaria do Verde esclarece que o Programa de Inspeção Veicular Ambiental é adotado de forma gradativa. Começou em 2008 com a inspeção de 100% da frota diesel e, em 2009, acrescentou 100% da frota de motocicletas e os carros movidos a álcool, gás ou gasolina registrados na cidade de São Paulo entre 2003 e 2008, porque são os que mais circulam na cidade. Muitos proprietários se preocupam em fazer a revisão do carro antes de comparecer nos centros de inspeção e, apesar do baixo índice de reprovação, muitos carros tiveram de ser inspecionados mais de uma vez para serem aprovados. Informa que o objetivo do programa é conscientizar a população sobre a importância de realizar manutenção periódica e adequada dos veículos para minimizar as emissões de poluentes, melhorando a qualidade de ar, de acordo com o Conselho Nacional de Meio Ambiente. Diz que os veículos mais antigos serão incluídos no Programa em 2010.

O leitor comenta: O baixo índice de reprovação nos carros com menos de cinco anos em nada influencia a qualidade do ar de São Paulo, o que desvirtua o objetivo da inspeção. É ridículo um carro fabricado em dezembro ser inspecionado dois meses depois! Por que, não obstante os interesses comerciais em jogo, não adotar a inspeção para carros com pelo menos três anos de fabricação?

Flanelinhas

No dia 5 de setembro, fui com minha mulher ao Mercado Municipal. Como havia uma fila de espera no estacionamento, parei o carro na rua. "Aí patrão deixa aquele R$ 10 pra gente!", disse um dos flanelinhas. Na volta, dei R$ 2. O justo seria não ter de pagar nada, mas falta fiscalização para coibir esses abusos.

MARCO AURÉLIO VITALE

São Paulo

A Polícia Militar (PM) explica que o problema não está na ação de tomar conta de veículos, mas quando determinada quantia é pedida para "autorizar" o estacionamento em via pública com ameaça de que o carro não estará no local ou será avariado quando o motorista voltar (extorsão) ou quando há dano, furto, roubo, constrangimento ilegal ou ameaça. A PM diz que como a ação de tomar conta de carro, sem exigir nada em troca, não configura crime, o policial tem dificuldades para agir, pois é abuso de autoridade impedir o direito de ir e vir de quem quer que seja. A condução coercitiva de uma pessoa ao distrito policial só terá respaldo legal, explica, em situações em que não for possível a identificação da pessoa ou se houver dúvida quanto à autenticidade dos documentos apresentados ao policial. Acrescenta que, sem vítima, não há crime, portanto as pessoas precisam chamar a polícia no momento em que esses crimes estão sendo praticados. A PM diz que procura intensificar o policiamento ostensivo nos locais de incidência desse crime.

Prefeitura corta gastos

A Prefeitura, sem comunicar ao contribuinte, não envia mais o boleto informativo de pagamentos daqueles que pagam o IPTU por débito automático. Liguei para a Secretaria de Finanças e fui informado de que só receberei um comprovante quando todas as parcelas estiverem quitadas. Quando disse à funcionária que iria resgatar essa informação nos extratos de minha conta, ela recomendou: "Se eu fosse o senhor, faria isso, pois nunca se sabe..."

AFFONSO ROCHA

São Paulo

A Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Finanças informa que, por uma questão de economia, a Prefeitura suspendeu o envio do boleto do IPTU para quem faz o pagamento do tributo por meio de débito automático em conta corrente. Explica que a informação da quitação do débito pode ser verificada no extrato bancário do contribuinte, ou pelo http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/financas/servicos/iptu/. Responde que, ao final da 10.ª parcela, o documento indicativo da quitação será enviado para cada contribuinte cadastrado nesse sistema de pagamento.

Burocracia

Minha namorada fez o pedido do passaporte pelo site da Polícia Federal (PF). Apesar de constar o pagamento no sistema, ela teve de voltar ao posto porque não levou o comprovante. Se aparece que foi pago no sistema, para que mostrar um pedaço de papel?

MARCUS COLTRO

São Paulo

A PF não respondeu.

As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.