Instituto Lula vai se dedicar à África, mas não só por caridade

O Instituto Lula vai se dedicar principalmente a obras e ações na África, o continente mais pobre do planeta. Esse será um dos pilares da atuação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a partir de janeiro, quando terminam seus oito anos de mandato.

, O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2010 | 00h00

Segundo Gilberto Carvalho, chefe de gabinete do presidente, uma das opções é o estabelecimento do Instituto na região do Ibirapuera, em São Paulo. "Internamente, Lula vai acompanhar as reformas políticas. No exterior, seu alvo será mesmo a África", disse Carvalho que, ontem, explicou ao Vaticano os planos do presidente.

Lula terminará o mandato como o chefe de estado brasileiro que mais viajou pela África. Foram 12 em oito anos. Mas o interesse não é apenas caritativo. Com 53 países, o continente é fundamental para eventual votação que determinará membros do Conselho de Segurança da ONU, além de contar com recursos naturais que são promessa de lucro para a Vale e a Petrobrás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.