Integrante que desobedeceu PCC é encontrado morto

Jurado de morte pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), o detento Carlos Aparecido Pacheco, o Caó, de 37 anos, foi encontrado morto hoje, às 11h, em sua cela, na enfermaria da Penitenciária do Estado, no Carandiru, na zona norte de São Paulo. Não havia sinais de violência, mas suspeita-se de que Caó tenha sido obrigado a tomar uma superdose de medicamentos. O laudo estará pronto em 30 dias. O crime encerra a perseguição iniciada no começo do mês pela cúpula da organização, que havia decretado a morte dele por traição. Isso porque a facção havia patrocinado a fuga dele, que cumpria pena em Franco da Rocha, para que Caó organizasse um atentado contra o ônibus de funcionários de um presídio de Sorocaba. Caó descumpriu a ordem. Caó chegou ao Carandiru com um dreno na região abdominal e seu estado de saúde era irregular, pois fora ferido e internado em um hospital de Sorocaba com um nome falso. Ele era foragido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.