Integrantes do Black Bloc no Rio são presos e indiciados por formação de quadrilha armada

Um dos integrantes do grupo também foi indiciado por pedofilia

Marcelo Gomes, O Estado de S. Paulo

04 Setembro 2013 | 13h57

RIO - Três adultos e dois menores acusados de administrar a página "Black Bloc RJ" numa rede social foram presos e indiciados pela Polícia Civil do Rio na manhã desta quarta-feira (4) pelos crimes de incitação à violência e formação de quadrilha armada. Um dos maiores também foi indiciado por pedofilia, já que foram encontradas imagens de sexo com crianças em seu computador.

As investigações tiveram início em julho, quando a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) instaurou inquérito para apurar os Black Bloc. No dia 6 daquele mês, foi publicado na página do grupo um passo a passo de como fabricar um artefato de ação perfurante com múltiplas pontas (com pregos), conhecido como jacaré ou ouriço. Segundo a chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, o objetivo do artefato é ferir pessoas ou furar pneus de veículos para roubos de carga.

A Justiça expediu nessa terça mandados de busca e apreensão nas residências de seis acusados, que foram cumpridos nesta manhã. Os agentes estiveram nos bairros do Cachambi e da Abolição, na zona norte do Rio, além dos municípios de Niterói, São Gonçalo e Maricá, na Região Metropolitana. Um dos seis suspeitos não foi localizado porque estaria fora do país.

Nas residencias dos investigados, os policiais encontraram um "jacaré", uma faca, máscaras de gás e do filme V de Vingança (muito usada em manifestações), luvas, bonés e outras vestimentas pretas (usadas por Black Bloc), além de computadores e celulares.

Em depoimento na DRCI, os cinco detidos teriam confessado serem os administradores da página, segundo Martha Rocha.

"Eles aderem à conduta de convocar pessoas a fazerem parte das manifestações e de criarem esse instrumento de ação perfurante. Como hoje foi encontrado um artefato desses e uma faca, a Polícia Civil entende que os cinco integram uma quadrilha armada, que é crime inafiançável. Eles estão presos em flagrante e o caso será encaminhado à Justiça", explicou a chefe de polícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.