Interditada distribuidora que vendia remédio para pediatra

O delegado Virgílio Guerreiro Neto, do 51.º Distrito, do Butantã, zona oeste de São Paulo, que investiga as acusações de abuso sexual contra menores que teriam sido praticadas pelo médico Eugenio Chipkevitch vai instaurar inquérito com base na Lei de Entorpecentes contra o fornecedor do sedativo aplicado para drogar as crianças. Na documentação encontrada no consultório do médico, o delegado identificou a distribuidora H. Med, no bairro da Saúde, que vendia o sedativo Dormonid injetável. "O remédio só pode ser vendido para hospitais e a venda para o doutor Eugenio era ilegal", informou Guerreiro. A visita da polícia foi feita à distribuidora com os fiscais da Vigilância Sanitária, que lacraram a farmácia da H. Med e o setor de produtos controlados. "Os responsáveis pelo fornecimento do remédio terão que responder perante a Justiça e o doutor Eugenio terá que explicar as receitas falsas que usava", declarou o delegado. Hoje, quatro menores atendidos por Chipkevitch e seus pais foram ouvidos pela polícia, fora do 51.º DP. Amanhã , a ex-mulher do médico será ouvida no inquérito. "Eu pretendia preservar a ex-mulher, como tenho feito com todas as testemunhas mas o advogado do médico se antecipou e anunciou que ela virá aqui para depôr", informou o delegado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.