Interessados recebem kit e têm até palestra sobre fiscalização

As entidades interessadas em fazer parte da rede Amarribo podem mandar um e-mail para a ONG, que envia um kit para iniciar o trabalho. Eventualmente, um representante da Amarribo vai à cidade interessada para dar uma palestra. O trabalho da associação já teve resultados práticos, com a cassação de prefeitos e a devolução de dinheiro desviado aos cofres públicos.

, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2010 | 00h00

Para lutar contra a malversação de recursos públicos em níveis federal e estadual, vale se aproximar dos grupos de combate à corrupção criados pelo Ministério Público Federal (MPF).

Neste caso, integrantes do próprio MPF, da Controladoria Geral da União (CGU), do Tribunal de Contas da União (TCU) e dos tribunais de contas estaduais reúnem-se com membros dos conselhos municipais e estaduais, de ONGs e de associações da sociedade civil em geral para capacitá-los, em minicursos de dois dias, a fiscalizar contas públicas. Os grupos já existem há cerca de cinco anos e foram criados pelo procurador da República em Pernambuco, Fábio George Nóbrega da Cruz. "Há, infelizmente, uma grande tolerância nacional com a corrupção. Precisamos mudar este quadro", diz.

No site do MPF de Pernambuco, www.prr5.mpf.gov.br, a janela saiba como fiscalizar ensina o internauta a acompanhar a destinação de recursos públicos.

O site Contas Abertas deixa à disposição dos internautas uma série de ferramentas para saber a destinação de recursos do orçamento federal. O portal permite a utilização de ferramentas próprias e do Siga Brasil, um sistema montado no Senado para o acompanhamento da aplicação do orçamento. É possível saber quais os recursos despendidos pelo Executivo no pagamento de diárias, no pagamento de fornecedores e os recursos enviados para Estados e municípios.

Até órgãos públicos mantêm em seus sites informações para acompanhar gastos. O da Controladoria Geral da União (CGU, www.cgu.gov.br), do ministro Jorge Hage, traz os resultados de sorteio de fiscalização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.