Interino inicia disputa por vaga de Arruda

Interino inicia disputa por vaga de Arruda

/ BRASÍLIA

Carol Pires, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2010 | 00h00

Ao desistir de brigar pelo cargo de governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda deu largada para a corrida entre os ex-aliados que, hoje, querem sucedê-lo. A escolha do novo governador caberá à Câmara Legislativa, que tem até o dia 17 de abril para realizar eleições indiretas.

Por ora, corre sozinho na disputa o governador interino Wilson Lima (PR), presidente da Câmara Legislativa. Lima é candidato natural à vaga, na avaliação de assessores dele, porque já está no cargo há pouco mais de um mês, quando substitui o então vice-governador Paulo Octávio, que renunciou ao cargo.

"Eu sou oriundo desta Casa e todo deputado distrital pode se candidatar. Eu sou candidato", confirmou o governador interino, ontem, ao levar à Câmara Legislativa projeto de lei que reajusta em até 15% o salário de cerca de 20 categorias profissionais.

Ao agradar aos eleitores, Wilson Lima começa a colocar em prática a segunda etapa do plano dele, de ser eleito governador tampão e se reeleger em outubro para um mandato de quatro anos. Os reajustes terão impacto de R$ 414 milhões até 2012.

O nome do governador interino para cumprir o mandato tampão, que termina em 31de dezembro, é bem recebido pelos deputados distritais, mas deputados da própria base aliada reclamam, sob anonimato, da falta de espaço que Lima deu aos ex-colegas para indicar nomes para compor o governo.

"Se esta eleição começar a se transformar em disputas pequenas, barganhas políticas, será a pavimentação que faltava para intervenção federal", ponderou a deputada Érika Kokay (PT).

CPI da Corrupção. Após dois meses e meio de funcionamento, a CPI da Corrupção, criada para investigar o "mensalão do DEM", não conseguiu investigar nada. Ontem, o empresário Gilberto Lucena, dono da Linknet, não compareceu à reunião marcada para ouvi-lo.

A Linknet é apontada no inquérito da Operação Caixa de Pandora como uma das empresas que abasteciam o esquema de corrupção que seria chefiado pelo ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda.

A presidente da CPI, Eliana Pedrosa (DEM), decidiu que, agora, os nomes dos depoentes só serão divulgados quando forem notificados. O ex-secretário de governo Durval Barbosa será o próximo a ser ouvido, no dia 30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.