Intermunicipais sairão do centro expandido

Com terminais, 67 linhas provenientes de 12 cidades da Grande SP serão desviadas de Pinheiros e deverão ir para perto da Marginal do Pinheiros

Eduardo Reina e Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

29 Agosto 2009 | 00h00

Além de promover a integração dos passageiros com estações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), os novos terminais de ônibus da capital também serão responsáveis por retirar da região do centro expandido as linhas provenientes de outras cidades da Região Metropolitana. Quando todos os cinco forem inaugurados, 67 linhas que hoje param na área central de Pinheiros vão ser deslocadas para junto ou para o outro lado da Marginal do Pinheiros. A localização desses terminais segue um padrão que vem sendo adotado para desafogar áreas problemáticas da capital, retirando o transporte coletivo intermunicipal. Por isso, os pontos de embarque e desembarque são construídos em áreas estratégicas do Município, consideradas "portas de entrada" ao centro expandido. "As viagens até o limite da cidade são rápidas, porque são feitas em corredores principais, mas, ao entrar no centro expandido, há congestionamento e nós próprios atrapalhamos o trânsito. Por isso, vem sendo adotado o modelo de os intermunicipais irem até a porta de entrada e depois os passageiros seguem no sistema principal, como o Metrô e a CPTM", diz o diretor de Gestão Operacional da Empresa Metropolitana de Transporte Urbano (EMTU), Antonio Carlos de Moraes. Um dos exemplos mais recentes é o do terminal construído junto à futura Estação Sacomã do Metrô, na Linha 2-Verde. Antes, os ônibus vindos da região do ABC paulista iam direto até o Parque D. Pedro II, no centro da cidade. Agora, param no terminal e os passageiros fazem baldeação pelo Expresso Tiradentes. No próximo ano, já poderão utilizar a Linha 2 do Metrô pela nova estação. Fontes ouvidas pela reportagem informaram que esse modelo é uma solicitação da Prefeitura de São Paulo para desafogar o trânsito e promover "igualdade" entre passageiros. "Todos os paulistanos pagam para transitar de ônibus na cidade e muitas pessoas que vêm de fora pagam só a taxa intermunicipal. Isso porque os coletivos chegam até determinadas regiões do centro expandido", diz um ex-integrante da São Paulo Transporte (SPTrans). A mesma lógica foi adotada pela Secretaria Municipal dos Transportes ao implementar a restrição aos ônibus fretados, em 27 de julho. Com algumas exceções - como o ponto de embarque da Avenida Doutor Arnaldo -, esses coletivos são obrigados a parar no limite do centro expandido e os passageiros seguem pelo transporte coletivo. PINHEIROS As 67 linhas que atualmente param na região do Largo da Batata, em Pinheiros, são provenientes de 12 municípios da Grande São Paulo. Com a inauguração do primeiro terminal junto à Linha Amarela do Metrô, o do Butantã, em janeiro de 2010, migrarão para o novo espaço os coletivos que vêm de Carapicuíba, Osasco, Jandira e Barueri. O futuro terminal da Vila Sônia abrigará linhas de Taboão da Serra, Embu e Itapecerica da Serra. A EMTU ainda estuda quais linhas serão transferidas para o terminal da futura Estação Pinheiros. Um grupo de trabalho com técnicos da empresa e da Prefeitura de São Paulo também está sendo criado para discutir quais linhas intermunicipais vão para o Terminal Campo Limpo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.