Internautas aprovam ação da polícia

Mais de 200 internautas deixaram mensagens no portal do Estado (www.estadao.com.br) apoiando a ação da polícia que resultou na morte de 12 criminosos na Rodovia Senador José Ermínio de Moraes, a Castelinho, perto de Sorocaba. Em 24 horas, foram 220 e-mails, e só um questionava a ação. Pessoas ouvidas pela reportagem também aprovaram a atitude das corporações. "A polícia usou a inteligência para agir", disse o bancário Aparecido Marinho, de 30 anos.Nos e-mails, que começaram a chegar por volta da 17 horas desta terça-feira, os internautas afirmam que o esquema montado pelas Polícias Civil e Militar deve ser usado como exemplo para coibir a violência e o crescimento de grupos como o Primeiro Comando da Capital (PCC).Em um desses textos, um leitor comentou que a "liberdade denota responsabilidade social, mas a bandidagem não pode ser a tônica". "Acredito no esforço do governo em tentar, agora, acalmar um pouco a neurose da população, tendo em vista a enormidade dos crimes e a impunidade."Outros afirmam que a polícia cumpriu seu papel ao investigar as ligações dos criminosos e descobrir que eles planejavam, entre outras ações, libertar detentos. "Finalmente a polícia chegou antes do bandido."Um dos leitores, porém, questiona os métodos usados pela polícia para descobrir o grupo e a quantidade de tiros disparados. Indaga também se houve empenho em socorrer os feridos.Nas ruas, a ação ganhou apoio. A economista Solange Aparecida Pereira Candido, de 33 anos, diz que a polícia mostrou que está buscando retomar as rédeas da segurança em São Paulo. "Os bandidos estão acostumados a fazer o que quiserem, sem ser punidos", afirmou. Para ela, ações desse tipo servem para coibir o crescimento de organizações como o PCC. "Eles não pensariam duas vezes antes de atirar em um policial ou cidadão comum."O técnico em instalação de TV a cabo Samir Palhares Ribeiro, de 23 anos, que já foi assaltado duas vezes, crê que a polícia reconquistou a credibilidade. "Acho que a população fica um pouco mais aliviada quando acontece esse tipo de coisa, porque percebemos que a polícia está acompanhando mais, investigando mais", ressalta Ribeiro. Para ele, o grupo estava preparado para cometer novos crimes e foram surpreendidos pelo cerco policial. "Não havia santo. Tanto é que receberam os policiais a tiros", diz.O motorista Ricardo Franco, de 32 anos, espera novas ações como a desta terça-feira. "A polícia está corretíssima, só acho que demorou para começar a pôr ordem nesta bagunça", afirma o motorista. A doméstica Simone das Graças Santos, de 32 anos, diz que esse tipo de comportamento da polícia diminui a onda de violência. "Os bandidos vão pensar duas vezes antes de cometer crimes tão abusados, como resgate de presos e seqüestros", diz a doméstica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.