Investigação aponta ''falso desmaio'' para escapar de intimação

Imagens gravadas na casa de Deborah Guerner mostram que ela retoma a rotina após a saída de duas servidoras do CNMP

Leandro Colon, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2011 | 00h00

BRASÍLIA

A investigação do Ministério Público Federal afirma que a promotora Deborah Guerner "simula um desmaio" em imagens gravadas no circuito interno da própria casa no dia 25 de maio de 2010. Naquele dia, ela recebeu a visita de duas funcionárias do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) - onde sofre um processo de expulsão do serviço público - para ser intimada a passar por uma perícia médica no dia seguinte. Ao ser informada do teor da visita, a promotora cai. "Após o desmaio simulado, uma das servidoras públicas presente ao local chama pela empregada daquela residência e o motorista do carro oficial, posteriormente entrando em contato com o Corpo de Bombeiros com a finalidade de prestar socorro médico a Deborah Guerner", diz trecho da investigação.

As imagens, apreendidas com autorização da Justiça, mostram a promotora sendo carregada para o quarto e colocada na própria cama. Segundo os investigadores, 10 minutos após a saída das servidoras do CNMP e dos bombeiros, Deborah retoma sua rotina: fala ao telefone, brinca com seus cachorros e pega a bolsa para sair de casa.

"Deborah Guerner restou por descer de seu quarto vestida com um roupão, segurando uma agenda e uma bolsa, tendo então apanhado a chave do carro e saiu no seu veículo importado como se nada tivesse acontecido."

O Ministério Público anexou as imagens do circuito interno ao pedido de prisão aceito pela Justiça contra o casal Guerner. Eles e os dois médicos foram denunciados por fraude processual, uso de documento falso, falsidade ideológica e formação de quadrilha.

TRECHOS DO DIÁLOGO

"Eles podem perguntar se tinha época que você ficava muito eufórica. Você vai falar: "Tinha sim. Tinha época que parecia que de repente desaparecia tudo isso.

E aí meu marido até reclamava.. que eu ia ao shopping, comprava demais, sabe? Reclamava das minhas roupas..."

Débora: Posso falar eufórica?

Psiquiatra: Pode. Muito excitada, eufórica e com o pavio muito curto... Brigo com as empregadas... explodo com qualquer coisa...

Psiquiatra: Agora é o seguinte: você tem que ver como é que você vai vestida."

Débora: Vou totalmente desparafernada, né?

Psiquiatra: Elegante, como você é, mas... meio que escandaloso. Entendeu? Elegante, mas assim: "Bem cheguei!"

... É bom cor, aí você põe um batom vermelho...

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.