Investigação de fuga de presos passa a ser sigilosa

O Ministério Público (MP) decretou sigilo nas investigações sobre o resgate de 5 presos da Penitenciária de Araraquara, ocorrido no dia 27 de janeiro, quando o ex-diretor Leandro Pereira os libertou em troca da vida de seus familiares, que haviam sido sequestrados. Pereira prestou depoimento por cerca de quatro horas nesta quarta-feira, dia 7, mas o conteúdo não foi revelado pelas equipes de promotores e delegados que trabalham no caso.A equipe de promotores informou que o sigilo durante o inquérito foi decretado devido à gravidade e à repercussão do fato e à necessidade de aprofundar as investigações, com a preservação dos envolvidos. Os promotores disseram que serão reveladas apenas informações consistentes em nota conjunta do MP e da Polícia Civil. O depoimento de Olga Pereira, mulher de Leandro Pereira, também seria tomado, mas acabou sendo adiado, porque ela disse que não passava bem. Ela foi um dos 7 membros da família de Pereira mantidos reféns durante o resgate dos presos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.