Investigação de Unaí leva à prisão de assaltantes de banco

Uma investigação que estava sendo feita para tentar encontrar os matadores de três fiscais e um motorista do Ministério do Trabalho em Unaí (MG), há mais de um mês, resultou na prisão de uma das mais perigosas quadrilhas de assaltantes de bancos do País, integrada por oito pessoas. Entre elas estava uma mulher que, usando dois bebês, servia como olheira do grupo.Os assaltantes portavam diversos fuzis, pistolas e munição, inclusive para uso contra colete à prova de bala, além de três carros. A prisão ocorreu durante um confronto na cidade de Cristalina (GO), onde um dos ladrões foi morto.O bando, segundo a Polícia Federal, é integrado por assaltantes do Pará e Maranhão, mas estavam baseados em Vicente Pires, uma colônia agrícola no Entorno de Brasília e em Ceilândia, uma cidade-satélite do Distrito Federal.Comandados pelo ex-policial militar do Pará, Walter Cante de Oliveira e por José Roberto de Menezes Carvalho, a quadrilha tinha três veículos e uma residência, que foram comprados por R$ 160 mil. "Com certeza destruímos um grupo que agia em todo o País", afirmou o superintendente da PF em Brasília, Euclides Rodrigues da Silva Filho.Descoberta por acasoA quadrilha foi descoberta por acaso. Policiais federais da área de inteligência estavam investigando diversos grupos envolvidos em assaltos a veículos na região de Unaí, quando chegaram aos ladrões. Eles estavam a caminho da cidade de Salinas (MG), onde planejando um plano para assaltar agências do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, que iriam fazer pagamentos durante a semana. No entanto, o grupo foi barrado em uma barreira da Polícia Rodoviária Federal, onde trocaram tiros com os agentes, já que estavam em um Golf roubado em Goiânia.Um dos bandidos, identificado apenas por Jacaré, foi morto na troca de tiros, enquanto que Antônio Manoel de Oliveira Neto foi baleado. Entre os ladrões estava Gislaine Gomes da Silva, acompanhada por seus dois filhos, um de dois anos, e outro de dois meses. Ela era encarregada de monitorar as agências onde seriam realizados as assaltos e também a movimentação policial. As crianças foram encaminhadas para o SOS-Criança, em Brasília. Foram presos ainda, Rômulo Carvalho, Antônio Roberto dos Santos e Aldenir Casa de Sá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.