Investigação sobre voo 447 entra em nova fase, diz França

Escritório francês pretende comandar novo esforço de buscas por caixas-pretas no Oceano Atlântico

Agência Estado,

26 de outubro de 2009 | 10h53

O novo chefe do Escritório de Investigações e Análises para a Aviação Civil (BEA, na sigla em francês), Jean-Paul Troadec, afirmou nesta segunda-feira, 26, que a apuração do acidente com o Airbus A330 da Air France entrou em nova fase.

 

Veja também

documento Relatório da BEA sobre o acidente (em inglês)

especial Leia íntegra da entrevista com o diretor da Air France

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

especial Especial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

especial Cronologia das tragédias da aviação brasileira

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos do mundo 

 

Troadec disse que o BEA trabalha agora junto com especialistas para ter uma ideia mais precisa da provável localização dos destroços que ainda estão no Atlântico. Posteriormente, o escritório pretende lançar uma busca com equipamentos especializados e robôs, para ainda tentar resgatar dados sobre as conversas entre os pilotos e os registros do voo, segundo informações da agência Dow Jones.

 

A aeronave decolou em junho do Rio de Janeiro com destino a Paris, mas caiu no Oceano Atlântico, matando todas as 228 pessoas a bordo. Troadec disse que o BEA, um órgão do governo francês, divulgará um segundo relatório parcial sobre o caso no meio de dezembro.

 

Troadec estimou que o custo desse terceiro estágio será de 10 a 20 milhões de euros, financiados por uma verba extra do governo francês e em parte com uma contribuição da fabricante de aviões Airbus.

 

O BEA já informou que pode levar pelo menos um ano e meio até a divulgação do relatório final sobre a queda do avião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.