Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Investigado novo sistema de comunicação de presos em SP

Um novo esquema de comunicação de fora para dentro de presídios, bem mais simples e fácil em relação às centrais clandestinas de telefonia, pode estar sendo utilizado por grupos criminosos. A constatação é da polícia de Campinas, a 90 quilômetros de São Paulo, que prendeu em flagrante uma quadrilha, com cinco integrantes, suspeitos de usar um telefone público, os chamados "orelhões" para fazer a ligação a uma das cinco unidades do Complexo Penitenciário de Hortolândia.Os cinco foram presos sob a suspeita de estarem se comunicando com possíveis presidiários, pois estavam em uma rua que dá acesso ao complexo. O grupo utilizou um aparelho de recepção de uso exclusivo da Telefônica, que foi conectado a um telefone público, para completar a ligação.A nova versão e a ousadia do grupo surpreendeu até os polícias. Até agora, a comunicação pelas ligações telefônicas entre grupos internos e externos que a policia conhecia era feita por meio de uma central clandestina montada em casas ou apartamentos.Ricardo Alexandre de Souza, Geraldo Alves da Silva, Edvaldo Augusto, Alexandre Santos e André Aparecido dos Santos - todos com passagem pela polícia - estavam "conectados" a um orelhão a menos de dois quilômetros do complexo, o que chamou a atenção de guardas municipais, na tarde de sexta-feira. Eles foram pegos com o aparelho acoplado aos fios do telefone público.Em depoimento, negaram a acusação que o aparelho que eles portavam fazia parte de um novo esquema de comunicação com detentos. O grupo foi atuado em flagrante por roubo de energia e encaminhado para a cadeia do 2º Distrito Policial. Com eles foram também apreendidos vários celulares.A polícia não se convenceu da versão apresentada pelo grupo. O delegado Talmir Russo Boavista começa nesta segunda-feira a investigar como o aparelho de uso exclusivo da Telefônica foi parar com o grupo. Ele vai tentar rastrear as últimas ligações feitas do celular e também do telefone público onde o aparelho foi conectado. O objetivo é descobrir para qual das unidades a ligação foi feita.

Agencia Estado,

21 de outubro de 2001 | 17h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.