Iphan estuda técnica para limpar pichação no Cristo Redentor

Trabalhos serão realizados no fim de semana para evitar consolidação da fixação da tinta

Priscila Trindade e Pedro Dantas - estadão.com.br

16 de abril de 2010 | 16h45

 

SÃO PAULO - O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Rio informou nesta sexta-feira, 16, que realiza testes para definir a técnica que será usada para a remoção da tinta na estátua do Cristo Redentor, pichado na quinta por vândalos.

 

Os trabalhos serão realizados durante o fim de semana para evitar a consolidação da fixação da tinta aplicada pelos pichadores nos braços, rosto e peito do monumento. O instituto afirmou ainda, por meio de nota, que "em princípio será utilizado o solvente menos agressivo possível e indicado para o caso."

 

Na madrugada de quinta-feira, vândalos subiram nos andaimes que cercam a estátua devido a uma obra de restauro e picharam o monumento. Os pichadores escreveram frases como "onde está a engenheira Patrícia?" e "quando os gatos saem, os ratos fazem a festa". Ninguém foi detido.

 

As inscrições foram vistas quando a ministra do Meio Ambiente, Izabella Mônica Vieira Teixeira, e o prefeito do Rio, Eduardo Paes, sobrevoavam o Parque Nacional da Tijuca. Paes classificou a ação como "crime de lesa-pátria."

 

Recompensa

 

Paes revelou que um grupo de empresários ofereceu até R$ 10 mil em recompensa por informações sobre a identidade dos vândalos que picharam a estátua. O acesso ao ponto turístico continua fechado, por causa dos deslizamentos de terra na estrada de acesso e nos trilhos dos trens ocorridos na semana passada.

 

"A limpeza de ser concluída no sábado ou domingo", informou a arquiteta Márcia Braga, responsável pela restauração do Cristo.. A Delegacia de Repressão a Crimes contra o Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal também abriu procedimento investigatório para apurar o caso.

 

Por meio de uma nota, a PF disse que para o crime de pichar um monumento público está prevista a pena de até um ano e multa.

Mais conteúdo sobre:
RioCristo Redentor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.