Irmão de suspeito por roubo ao BC foi seqüestrado por engano, diz advogada

Herbênia Rodrigues, advogada de Antônio Jussivan Alves dos Santos, o "Alemão", apontado como um dos líderes do bando que furtou R$ 164,7 milhões do Banco Central (BC) de Fortaleza, acredita que o comerciante Juciê Alves dos Santos, seqüestrado neste sábado foi confundido com seu cliente. Juciê é irmão de Alemão, e, segundo a advogada, os dois são muito parecidos.De acordo com Herbênia, Juciê chegou a ser preso duas vezes, tamanha a semelhança com o irmão que está sendo procurado pela Polícia Federal desde o furto milionário, em agosto do ano passado. Alemão, segundo a PF, seria o responsável por arregimentar os homens que cavaram o túnel de quase 80 metros usado para invadir o cofre do BC. Ele também é apontado como o financiador da ação, juntamente com o traficante Luiz Fernando Ribeiro, o "Fé", morto em outubro após ser seqüestrado em São Paulo.O irmão de Alemão, Juciê, foi seqüestrado por volta das 9 horas deste sábado, quando estacionava seu carro, um Gol vermelho, em frente à Clínica Gênesis, na avenida Santos Dumont, bairro Aldeota, área nobre de Fortaleza. A polícia achou o carro da vítima, mas ainda não tem pistas sobre o cativeiro e nem de quem seriam os seqüestradores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.