Italiano é seqüestrado e morto em Blumenau

Quando a polícia de Blumenau (SC), a 130 km de Florianópolis, entrou na cobertura de um prédio no centro da cidade no início da madrugada desta sexta-feira, 24, encontrou uma cena sangrenta e inusitada. O empresário italiano Vincenzo Nazzaro, de 55 anos, estava morto no chão enquanto Carlos Lacerda Júnior, de 30 anos, bastante ferido, dormia embriagado na cama ao lado.O delegado Walmir Padilha explicou que o caso começou com a chegada do italiano ao aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis, na noite de quinta, 23. Ele e a cunhada Tatiane Lourenço da Silva, de 26 anos, estavam colocando as malas no carro quando foram abordados por dois homens, que alegavam ser agentes da Polícia Federal e teriam um mandado de prisão contra ele. "Nazzaro aceitou pagar US$ 200 mil", disse o delegado.Todos foram para o apartamento em Blumenau, onde Nazzaro entrou em contato com um empresário de Balneário Camboriú, que poderia conseguir o dinheiro. Tatiane foi mandada para a cidade, a 60 km de distância, mas nada conseguiu.Enquanto isso, vizinhos alertavam a polícia de que estaria havendo uma briga no apartamento. Sem saber ainda das circunstâncias do caso, a equipe do delegado Padilha entrou. "No início, aquele rapaz disse que era segurança do empresário, mas mudou a história quando Tatiane o identificou como um dos supostos policiais federais", explicou o delegado.Marcas de sangue espalhadas por todo o apartamento, de acordo com Padilha, indicam que houve briga. "Encontramos quatro tiros no teto, disparados pela arma que estava no quarto", contou. As primeiras informações da perícia revelaram que a morte foi provocada provavelmente por golpes com uma garrafa de champanhe.Lacerda Júnior foi autuado em flagrante por seqüestro seguido de morte e está internado no hospital, pois apresentava profundos cortes na perna. Enquanto ainda tenta descobrir mais detalhes do caso, a polícia investiga o paradeiro do terceiro homem, que fugiu e deixou o apartamento trancado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.