Itamaraty cria regra para ampliar acesso a negros

O Ministério das Relações Exteriores estabeleceu cotas para negros na prova de admissão ao curso de preparação de diplomatas do Instituto Rio Branco. A partir de 2011 serão aprovados, na fase inicial, 10% a mais de candidatos. Esses precisarão ser afrodescendentes. Deverão, também, alcançar o mínimo necessário de acertos (40%).

Lisandra Paraguassú, O Estado de S.Paulo

29 de dezembro de 2010 | 00h00

A seleção de candidatos a diplomatas é considerada a mais difícil do serviço público. Depois da pré-seleção, as notas são zeradas. A seleção começa novamente com uma prova eliminatória de português, em que é preciso acertar 60% das questões. Essa é a segunda etapa do programa de ação afirmativa do ministério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.